Mercado abrirá em 56 mins
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,95
    +0,34 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.844,10
    -6,80 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    31.447,08
    -455,27 (-1,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    631,34
    -8,58 (-1,34%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.629,61
    -24,40 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.532,00
    +46,50 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4942
    -0,0166 (-0,25%)
     

Em cinco anos, preço do cafezinho sobe, em média, 42%

Redação Finanças
Getty Images
Getty Images

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Levantamento da Ticket mostra que preços subiram acima do reajuste das refeições.

  • O percentual de aumento equivale a dizer que o preço pago pelo cafezinho pós-almoço passou de R$ 2,39, em 2014, para R$ 3,40, em 2018, na média nacional.

Um levantamento da Ticket, marca de benefícios de refeição e alimentação, revela que uma xícara de café ficou 42% mais cara no país nos últimos cinco anos. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), a bebida é consumida por nove entre dez brasileiros acima de quinze anos.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

BAIXE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

A informação foi publicada pelo portal Valor Investe. O percentual de aumento apontado pelo levantamento equivale a dizer que o preço pago pelo cafezinho pós-almoço passou de R$ 2,39, em 2014, para R$ 3,40, em 2018, na média nacional.

Leia também

Se considerado apenas o valor desembolsado por uma xícara do produto coado, a variação no custo do tradicional cafezinho é ainda maior --alta de 45%. O valor cobrado pelo café expresso, por outro lado, teve alta de 34% no período.

No mesmo período de tempo considerado, o incremento foi ainda maior que o registrado pelo preço médio da refeição no Brasil.

A Ticket aponta que o gasto médio do trabalhador com o cafezinho supera em 15 pontos percentuais o reajuste de 27% sofrido pela refeição nos últimos cinco anos.

O motivo é que, como commodity, o café tem seu valor dado pela cotação estabelecida na Bolsa de Valores de Nova York, um mercado e renda variável. Isso acaba influenciando a tarifa dos produtos tanto no mercado físico quanto no futuro.

A maior alta foi registrada na região Centro-Oeste, com crescimento de 75% no valor pago por uma xícara de café -- bem acima do aumento de 35% no preço médio da refeição.

A região Nordeste teve a menor variação. Lá, o aumento de preço foi de 35%, de R$ 2,62 para R$ 3,54, enquanto as refeições subiram 21% na região.