Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.014,31
    +2.184,59 (+2,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.766,89
    -568,62 (-1,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,50
    +1,36 (+1,76%)
     
  • OURO

    1.888,40
    +3,60 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    22.867,62
    -232,16 (-1,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    527,06
    -9,83 (-1,83%)
     
  • S&P500

    4.125,14
    -38,86 (-0,93%)
     
  • DOW JONES

    33.989,84
    -166,85 (-0,49%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.544,25
    -232,50 (-1,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5757
    -0,0014 (-0,03%)
     

Em carta aberta, Associação Médica Brasileira pede que Queiroga aprove diretrizes para o tratamento da Covid-19

SÃO PAULO — A Associação Médica Brasileira (AMB) enviou uma carta aberta ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nesta terça-feira, solicitando a urgente aprovação das Diretrizes Brasileiras para o Tratamento Ambulatorial e Hospitalar da Covid-19. Trata-se de documento elaborado por especialistas nomeados pelo próprio Ministério da Saúde, aprovado pela Conitec, mas vetado pelo secretário Hélio Angotti Neto.

Carlos Roberto Ribeiro Carvalho, médico designado pelo próprio Ministro da Saúde para coordenar a elaboração dessas diretrizes impetrou, no dia 4 de fevereiro, recurso administrativo refutando de forma técnica e científica os argumentos equivocados utilizados pela portaria assinada por Angotti para a não aprovação das diretrizes.

Mesmo assim, o veto foi mantido pelo responsável pelo secretário, o que determina que a decisão final seja tomada pelo Ministro da Saúde.

"[...] A Associação Médica Brasileira solicitaque Vossa Excelência considere todos os aspectos técnicos e científicoscontidos nos documentos citados, e aprove sem mais demora as 'Diretrizes Brasileiras para o TratamentoAmbulatorial e Hospitalar da Covid-19', documentos que têm o apoio de todas associedades médicas envolvidas com o tema, e que são extremamente necessáriaspara orientar corretamente os profissionais de saúde que estão na linha defrente nessa Pandemia", diz a carta.

O documento em questão orienta o sistema de saúde, com base nas melhores evidências científicas disponíveis, sobre como atender e tratar pacientes infectados pelo novo coronavírus, em nível ambulatorial e hospitalar.