Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.636,41
    -4,23 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Em busca de vida marciana, rover Perseverance da NASA se aproxima de destino

Lucie AUBOURG
·4 minuto de leitura

Depois de sete meses de viagem, o rover Perseverance da NASA tentará pousar em Marte na quinta-feira, em uma manobra perigosa que marcará o início de uma busca de vários anos para encontrar vestígios de vida antiga.

A missão Mars 2020, que foi lançada da Flórida no final de julho, carrega o maior e mais avançado veículo já enviado ao planeta vermelho, o Perseverance.

Construído no lendário Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA, ele pesa uma tonelada, está equipado com um braço robótico com mais de dois metros de comprimento, 19 câmeras e, pela primeira vez, dois microfones.

Se chegar intacto, será o quinto rover a fazer a viagem desde 1997. Até agora todos eram americanos e um deles, o Curiosity, ainda está em operação.

Mas na semana passada a China colocou na órbita de Marte sua sonda "Tianwen-1", que contém um robô controlado remotamente que deve tentar pousar entre maio e junho.

Na quinta-feira, às 20h30 GMT (17h30 de Brasília), o Perseverance pousará suas seis rodas em um local de pouso "espetacular", nas palavras de Ken Farley, cientista do projeto.

A cratera Jezero havia sido considerada para missões anteriores, especialmente para Curiosity, mas foi descartada como muito perigosa. Mas as novas tecnologias agora permitem tentar a manobra.

Devido à covid-19, a sala de controle da NASA ficará menos lotada do que o normal. Mas "isso não nos impedirá de pular de alegria" assim que o pouso for confirmado, prometeu Matt Wallace, vice-chefe da missão.

Após o pouso, as primeiras fotos da superfície chegarão rapidamente em baixa resolução. Imagens de vídeo, incluindo a entrada na atmosfera, são esperadas mais tarde.

- Lagos e rios -

Os cientistas acreditam que há mais de 3,5 bilhões de anos a cratera de Jezero abrigava um lago profundo com cerca de 50 km de largura.

Na época, "Marte era muito semelhante à Terra em muitos aspectos. Tinha uma atmosfera significativa, lagos e rios, (...) lugares onde organismos que conhecemos poderiam ter prosperado", explica Ken Farley.

"Estes são os únicos ambientes habitáveis que conhecemos além da Terra".

Mars 2020 é a primeira missão com o objetivo explícito de provar que ali existiu vida.

Perseverance, que se desloca três vezes mais rápido que os rovers anteriores, terá que percorrer, ao longo de vários anos, mais de vinte quilômetros em diferentes ambientes. Primeiro o delta formado por um rio que desaguava no lago na época, depois o que poderia ser sua margem e, por último, terá que escalar a borda da cratera.

Em cada local serão coletadas amostras - até 30 no total - que serão analisadas pelos mais avançados laboratórios da Terra em busca de possíveis vestígios microscópicos de organismos antigos.

Os tubos contendo as amostras serão cuidadosamente preservados até que uma missão posterior possa coletá-los, na década de 2030.

A ideia da NASA é que as amostras sejam primeiro colocadas em um foguete e colocadas em órbita, para então serem recuperadas por outra espaçonave durante um encontro espacial.

"Os cientistas que vão estudar essas amostras ainda estão na escola, podem nem ter nascido ainda", disse Farley.

Como seria esse tão esperado traço de vida? "Não devemos esperar um dente fóssil, um osso ou uma folha", alertou o cientista. Mas sim vestígios de vida microbiana. Uma descoberta que seria "fabulosa".

No entanto, os primeiros meses da missão não serão dedicados a este primeiro objetivo. Experimentos paralelos também estão planejados.

Especificamente, a NASA quer pilotar uma espaçonave motorizada em outro planeta pela primeira vez. Um pequeno helicóptero chamado Ingenuity terá que ser capaz de voar com uma densidade equivalente a 1% da densidade da atmosfera terrestre.

Outro objetivo é se preparar para futuras missões humanas, experimentando a produção de oxigênio diretamente no local. Um instrumento chamado MOXIE, do tamanho de uma bateria de carro, deve ser capaz de produzir até 10g de oxigênio em uma hora, sugando o dióxido de carbono da atmosfera marciana, como uma planta.

Este oxigênio poderia ser usado por futuros colonos humanos para respirar, mas também como combustível.

A NASA investiu cerca de US$ 2,4 bilhões para construir e lançar a missão Mars 2020. O custo de pouso e operações de campo é inicialmente estimado em US$ 300 milhões. la/vgr/alc/sr/mps/ll/mr