Mercado abrirá em 7 h 50 min
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,13
    -0,37 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.766,20
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    22.804,38
    -606,16 (-2,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    542,18
    -15,56 (-2,79%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.852,92
    +89,01 (+0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.937,73
    -4,41 (-0,02%)
     
  • NASDAQ

    13.494,75
    -28,50 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2115
    -0,0023 (-0,04%)
     

Em busca da onipresença tecnológica

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A tecnologia tem um aspecto comum que a maioria das pessoas concorda: ela impacta o comportamento humano. Esse impacto varia dependendo do ambiente do indivíduo. Como exemplo, cito o acesso onipresente ao comércio eletrônico em diversos países, como na China, que permite que as pessoas comprem online e economizem tempo, sem precisar ir a um shopping center.

No entanto, essa condição não ocorreu de forma isolada. Além das políticas oficiais do governo e da expansão dos serviços de Internet pela China Mobile, China Telecom e China Unicom (entre outros provedores de serviços), empresas como Alibaba e Tencent têm desempenhado um papel significativo no comércio eletrônico naquele país. Além disso, outras entidades desempenham um papel fundamental no crescimento bem-sucedido do setor, como a China Post. Sem o seu sistema de entrega de correspondências, suportado por uma plataforma de logística digital avançada, o seu e-commerce de funcionários nunca teria sucesso.

Contudo, ainda falando da China, segundo estatísticas oficiais do CNNIC, somente 73% da população do país tinha acesso à internet ao final de 2021. Isto significa que são aproximadamente 140 milhões de pessoas que não contam com a possibilidade de utilizar o comércio eletrônico.

É por isso que, quando uma pessoa afirma que foi criada em um ambiente em que sempre teve acesso à tecnologia de ponta, a primeira coisa que deduzo é que estou lidando com uma pessoa que sempre viveu nas áreas urbanas economicamente mais importantes de seu país. As tecnologias demoram muito mais para chegar às áreas rurais ou menos povoadas, como aconteceu com as tecnologias anteriores ao longo da história.

O impacto do 5G fora dos ambientes urbanos

No entanto, a próxima geração da Internet das Coisas (IoT) vai viabilizar a digitalização de processos em muitas partes do mundo e não necessariamente em áreas urbanas. A chegada da 5G facilitará e vai acelerar a adoção da IoT devido à sua capacidade de suportar mais conexões por quilômetro quadrado (até 1 milhão). Além disso, o menor custo de conectividade (experimentado pelo consumidor em downloads mais baratos) permite um retorno positivo do investimento no uso de dispositivos máquina a máquina, que era proibitivo há somente cinco anos.

Capacidade das redes 5G tem potencial de transformar tecnologicamente mesmo as regiões mais afastadas (Imagem: Marlon Trottmann/EyeEm/Getty Images)
Capacidade das redes 5G tem potencial de transformar tecnologicamente mesmo as regiões mais afastadas (Imagem: Marlon Trottmann/EyeEm/Getty Images)

Todavia, o uso de IoT com o objetivo de tornar mais eficientes segmentos da economia como agricultura, mineração ou pesca, pode levar à implantação lucrativa de infraestrutura de telecomunicações com baixos níveis de densidade populacional em que anteriormente esse tipo de investimento não se justificava, pois conectar seres humanos não gerava renda suficiente para as operadoras de telecomunicações.

Além disso, como visto no exemplo do e-commerce na China, a IoT não é algo que acontece isoladamente. Entre as tecnologias que terão um papel cada vez mais importante em sua interação com a IoT está a Inteligência Artificial (IA). Do meu ponto de vista, essas tecnologias são complementares. Por exemplo, o uso de IoT pode exigir serviços e análises em nuvem que, por sua vez, podem exigir o uso de IA.

Inteligência artificial e seus riscos

Isso nos leva a outro tópico. Com a chegada da Inteligência Artificial (IA), o conceito estabelecido de que a tecnologia é neutra, ruim ou boa está sendo revisto. Para que um sistema de IA funcione, ele precisa de informações de humanos. Como os humanos não são neutros, seus preconceitos serão direta ou indiretamente refletidos pela IA. Estudos sobre o uso de IA em diferentes campos mostram que os resultados da implementação refletem o viés histórico observado nesses campos há anos e que fazem parte dos dados que são alimentados pelo sistema de IA.

Também é conveniente lembrar de outras ciências quando abordamos este tema. O preconceito humano decorre da educação social e de outros elementos, como cultura, religião e crenças políticas. Portanto, o que é considerado aceitável em uma cultura pode ser totalmente rejeitado por outra.

Considere criar uma IA cujo objetivo principal seja promover a inclusão e identificar os melhores papéis de liderança para mulheres que buscam carreiras em ciências, tecnologia e matemática. Embora esse tipo de IA seja elogiado em muitas sociedades ocidentais e considerado um desenvolvimento positivo e um "bom" uso da tecnologia, pessoas de diferentes origens culturais podem vê-lo como uma ferramenta que ajuda a distorcer a ordem natural das coisas.

A questão é que mesmo antes de começarmos a considerar o viés de programação que fará parte de um sistema de IA, vieses sociais podem dificultar ou impedir o uso de tecnologias em determinadas circunstâncias.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos