Mercado abrirá em 4 mins

Em busca da liderança do Grupo G, Santos recebe Olimpia pela Libertadores

·3 minutos de leitura
Lucas Verissimo comemora gol do Santos sobre o equatoriano Delfín, pela Copa Libertadores, na Vila Belmiro
Lucas Verissimo comemora gol do Santos sobre o equatoriano Delfín, pela Copa Libertadores, na Vila Belmiro

O Santos recebe nesta terça-feira o paraguaio Olimpia na partida que irá definir a liderança do Grupo G e na qual uma vitória deixará bem encaminhada a vaga para as oitavas de final da Copa Libertadores. 

O jogo, válido pela terceira rodada da chave, será às 21h30 (horário de Brasília), no estádio Vila Belmiro, em Santos.

- Encaminhar a classificação -

O time santista, dirigido por Cuca, considera este confronto como um "clássico". Não só por reunir dois grandes do continente - com seis títulos da Libertadores em campo - mas também por serem os dois únicos invictos do grupo. 

O Peixe lidera a chave com seis pontos, após vitórias sobre o equatoriano Delfín e o argentino Defensa e Justicia. Antes da interrupção do torneio por conta da pandemia da covid-19, os paraguaios empataram com o time do Equador e venceram a equipe da Argentina. 

"É preciso aproveitar quando o líder joga contra o vice-líder", disse o técnico do Santos em entrevista coletiva no domingo. 

"Estamos preparados para um jogo duro e difícil", acrescentou.

Uma vitória em casa deixaria a equipe brasileira com grandes chances de passar às oitavas, já que o Delfín tem um ponto e o Defensa y Justicia ainda não pontuou (ambos se enfrentam na quinta-feira, em Buenos Aires). 

Já  uma derrota para o adversário desta rodada embolaria a situação do grupo.

- Irregularidade -

Apesar ter tido um bom desempenho na Libertadores antes da interrupção provocada pelo coronavírus, o Santos tem se mostrado irregular desde o início do Campeonato Brasileiro, que começou há pouco mais de um mês, após a proibição da realização de eventos esportivos por conta da pandemia.

Após dez rodadas disputadas no Brasileirão, a equipe paulista está em sétimo lugar, com 15 pontos, fruto de quatro vitórias, três empates e três derrotas. 

No domingo, empatou por 2 a 2 com o São Paulo no clássico regional, em duelo no qual levou a campo vários reservas para poupar os titulares para o jogo da Libertadores. 

Para o confronto com o Olimpia, o Santos aposta no desempenho de seus dois destaques: o artilheiro Marinho e o volante lateral venezuelano Yeferson Soteldo. 

A Libertadores “é uma competição que todos querem jogar”, afirmou Lucas Lourenço, que surge como opção do banco para o meio-campo.

- Dúvida significativa -

O Olímpia também chega com seus pesos pesados. Ao contrário de vários campeonatos sul-americanos, paraguaios e brasileiros estiveram entre os primeiros a retomar as atividades futebolísticas na atípica temporada de 2020. 

Após onze jogos pelo Campeonato Paraguaio, a equipe comandada por Daniel Garnero está na terceira colocação, sete pontos atrás do líder Cerro Porteño. 

A equipe vem de uma goleada de 4 a 0 sobre o River Plate pelo torneio nacional, na qual atuou com time reserva. 

"Confiamos totalmente nos jogadores que temos. A ideia é clara e eles a respeitam", afirmou o treinador. 

Garnero conta para o jogo diante do Santos com a volta do goleiro titular Alfredo Aguilar, no lugar de Daniel Azcona. Ele também terá seu novo reforço, o atacante Isidro Pitta, mas vai esperar até o último minuto pelo lesionado Derlis González, que disputou duas temporadas pelo Santos. 

O incansável Roque Santa Cruz vai liderar o ataque, acompanhado no meio-campo pelo agressivo Richard Ortiz. 

Prováveis escalações:

Santos: João Paulo - Madson, Lucas Verissimo, Luan Peres, Felipe - Alison, Diego Cristiano - Lucas Braga, Arthur Gomes, Yeferson Soteldo - Marinho. 

Técnico: Cuca.

Olimpia: Alfredo Aguilar - Sergio Otálvaro, José Leguizamón, Antolín Alcaraz, Iván Torres - Alejandro Silva, Nicolás Domingo, Richard Ortiz, Rodrigo Rojas - Roque Santa Cruz y Néstor Camacho. 

Técnico: Daniel Garnero.

Árbitr:  Leodán González (URU), auxiliado por Nicolás Tarán  (URU) e Richard Trinidad  (URU)

raa/js/cl