Mercado abrirá em 6 horas 1 minuto

Em breve haverá mais de 100 empresas aéreas paradas no mundo, diz Iata

Cibelle Bouças

Para entidade, companhias estão queimando caixa, sem receita e não é possível saber quantas irão sobreviver O setor aéreo global opera atualmente com cerca de 80 empresas paralisadas totalmente ou quase totalmente. Nos próximos dias, haverá mais de cem empresas paralisadas no mundo por causa da pandemia de covid-19. Desse total, é difícil saber quantas vão quebrar e quantas conseguirão se recuperar após a crise. A avaliação é da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata).

“Essas indústrias estão com falta de receita, queimando caixa rapidamente. Os governos precisam entender a necessidade da indústria aérea e seu papel na economia. Muitos negócios dependem das viagens, para transporte de matérias-primas e produtos acabados”, afirmou Peter Cerdá, vice-presidente da Iata para Américas.

O executivo ponderou que as indústrias precisam de ajudas para giro de caixa agora e precisarão de recursos para sobreviver nos meses seguintes ao fim da crise de coronavírus.

“Considerando outras crises vividas pelo setor no passado, imaginamos que as empresas do setor de turismo vão precisar de seis a sete meses após o fim da crise para se recuperarem. As empresas e os governos terão que trabalhar de forma muito ajustada para convencer os viajantes que viajar é seguro”, disse Cerdá.

No Brasil, a entidade estima que as companhias terão uma queda de 40% nas receitas neste ano, o equivalente a US$ 7,7 bilhões. Mais de 60 mil empregos estão ameaçados, segundo projeções dos técnicos da Iata.