Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.393,24
    +1.745,16 (+2,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Em ato de provocação, EUA pousam avião bombardeiro no 'quintal' da Rússia; rota é a mais próxima para atacar

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
O pouso tem uma carga simbólica: um recado após o discursodo novo governo americano Joe Biden com críticas ao governo russo de Vladimir Putin (Foto: Departamento de Defesa dos EUA/Facebook)
O pouso tem uma carga simbólica: um recado após o discursodo novo governo americano Joe Biden com críticas ao governo russo de Vladimir Putin (Foto: Departamento de Defesa dos EUA/Facebook)

Os Estados Unidos pousaram pela primeira vez um bombardeiro com capacidade nuclear na região considerada o "quintal" da Rússia, localizada acima do Círculo Polar Ártico, em uma provocação de força com o país. O episódio ocorreu no domingo (7), mas as primeiras informações começaram a circular durante a semana.

Conhecido como "Cavaleiro das Trevas", o bombardeiro — aeronave militar projetada para atacar alvos terrestres principalmente com o lançamento de bombas — é do modelo B-1B e foi projetado na Guerra Fria. À época, o objetivo da aeronave era ser utilizada em missões de penetração na então União Soviética (URSS).

Leia também:

Nesta missão, a tripulação fez o chamado "pit-stop morno" no aeroporto de Bodø, no qual os motores são desligados e o avião é reabastecido em terra com a tripulação embarcada. 

O local de aterrissagem é considerado a rota mais curta para um ataque contra Moscou por conta da curvatura da Terra, e é visto como "quintal" por Moscou por ter forte presença militar do lado oposto da península que abriga Noruega e Suécia.

Além de rotas militares, as distâncias menores entre a Rússia e o Ocidente pelo polo Norte, o degelo do Ártico tem aberto caminhos comerciais marítimos. Com isso, há mais exploração de gás e petróleo.

Guerra Fria 2.0

Não é a primeira vez que aviões com capacidade de arremeçar bombas voaram pela região. No entanto, o pouso tem uma carga simbólica: um recado após o discursodo novo governo americano Joe Biden com críticas ao governo russo de Vladimir Putin.

Isso porque Biden fez discursos e tomou medidas contra Putin, acusando o governo russo de tentar matar o opositor Alexei Navalni e aplicando sanções a autoridades ligadas ao presidente russo. Por isso, sinais aparentemente pequenos, como o envio de um avião para uma base remota no Ártico, ganham importância como termômetro das disposições de lado a lado.

No mês passado, a Rússia enviou um návio de guerra, o Marechal Ustinov, pela primeira vez para o fiorde de Varanger, que marca a fronteira marítima com a Noruega —membro da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) , aliança militar liderada pelos EUA.

Desta forma, é possível ler o aceno a Putin como uma forma de asseverar independência em relação a Biden, que até aqui só sinalizou a manutenção da política de confronto com a China instituída pelo seu antecessor, Donald Trump.

Por este motivo, a "Guerra Fria 2.0" pode até mudar de tom, mas não de objetivo. Biden já deixou claro que considera a China o maior rival estratégico dos EUA, enquanto vê a Rússia como uma perigosa adversária, particularmente no campo militar.

Na sexta-feira (12), Biden promoverá uma reunião virtual com seus aliados do Quad, o grupo militar que reúne EUA, Japão, Austrália e Índia, em oposição a Pequim. As tensões sino-americanas seguem em alta em pontos como o mar do Sul da China, que recebe B-1Bs com frequência.