Mercado fechará em 6 h 25 min

Em ano de recordes de produção de petróleo, Petrobras mantém refinarias ociosas

NICOLA PAMPLONA
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 05.04.2019 - Posto da Petrobras na avenida Professor Fonseca Rodrigues, no Alto de Pinheiros, em São Paulo. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em um ano de recordes na produção brasileira de petróleo, a Petrobras manteve estratégia de operar suas refinarias com elevado nível de ociosidade, deixando espaço no mercado brasileiro para a importação de combustíveis.

Em relatório divulgado nesta segunda (10), a empresa diz que produziu, em média, 2,77 milhões de barris de petróleo e gás em 2019, seu recorde anual. No quarto trimestre, o volume chegou a 3,025 milhões de barris, o maior já registrado para um trimestre.

O desempenho foi impulsionado pelo crescimento da produção em plataformas do pré-sal -em 24 meses, a estatal conseguiu iniciar as operações em oito novas unidades. O volume de petróleo extraído pela empresa no país chegou a 2,172 milhões de barris por dia, alta de 6,7% em relação a 2018. 

No refino, porém, os níveis de produção permanecem em patamares bem inferiores aos recordes obtidos em meados dos anos 2010. Em 2019, a produção de combustíveis pela empresa somou 1,765 milhão de barris por dia, 18,6% abaixo dos recordes de 2,170 milhões de barris por dia, obtidos em 2014 e 2016.

O volume é praticamente estável com relação a 2018 (alta de 0,8%). O volume de petróleo refinado pela companhia subiu 0,3%, para 1,720 milhão de barris por dia, o que indica uma ociosidade de 23% em relação à capacidade das refinarias da estatal.

A menor operação de refinarias em um período de recordes na produção é alvo de críticas por sindicatos ligados à estatal, que acusam uma política de "desmonte" para a atração de empresas privadas para o mercado de combustíveis.

Com menos produção de combustíveis, parte do mercado tem que ser abastecido por importações. Segundo dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo), em dezembro, as importações responderam por 13,7% da demanda por gasolina e 22,9% da demanda por diesel no Brasil.

A política vem sendo adotada desde 2017, ainda na gestão Pedro Parente. Dois anos antes, a capacidade brasileira de refino havia sido ampliada com a inauguração da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, a primeira unidade de grande porte do país desde 1980 e alvo da Operação Lava Jato.

Ainda assim, a empresa alegava na época que precisava retirar o melhor mix de produtos de suas refinarias e que, em alguns casos, era melhor importar parte dos derivados do que elevar a produção e gerar subprodutos sem valor de venda no mercado.

No Relatório de Produção divulgado nesta segunda-feira, a empresa diz que o crescimento da produção de combustíveis é resultado de maior demanda global por combustível marítimo com baixo teor de enxofre e por gasolina e alta octanagem.

O combustível marítimo produzido com óleo do pré-sal é adequado às novas especificações de controle de emissões de poluentes da IMO (sigla em inglês para Organização Marítima Internacional), que entraram em vigor este ano.

Com a maior produção de petróleo e refino ainda em baixa, a estatal bateu recorde também nas suas exportações de óleo cru: na média do ano, a exportação de óleo foi de 536 mil barris por dia, 25%,2 a mais do que em 2018. Em novembro, o volume chegou a 767 mil barris por dia.

Na avaliação do governo a produção de combustíveis tende a aumentar quando as refinarias da Petrobras forem transferidas à iniciativa privada. A expectativa é que os novos donos se esforcem para reduzir custos e consigam operar com nível de utilização em torno dos 90%.

O economista Rodrigo Leão, do Ineep (Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis Zé Eduardo Dutra) diz que, além do impacto na balança, a maior dependência de importações torna o Brasil mais vulnerável a oscilações dos preços internacionais do petróleo e combustíveis.

Leão diz que o mix de produtos da empresa não variou muito após o início da política e que a estratégia pode ter como objetivo enxugar as operações das refinarias à venda, que vêm operando com capacidade inferior às unidades que a empresa manterá.

A Petrobras colocou à venda oito de suas refinarias e focará na região Sudeste. O primeiro pacote, com quatro delas, inclui a Abreu e Lima e unidades no Paraná, Rio Grande do Sul e Bahia. A expectativa da empresa é receber as propostas em março. 

A estatal já operou com nível de utilização superior a 90%, durante o início dos anos 2010, quando o consumo de combustíveis no Brasil registrava grande crescimento. Naquele período, porém, a área de refino da empresa apresentava prejuízos bilionários.

Entre 2011 e 2013, as perdas foram de R$ 50,6 bilhões, resultado de uma política de represamento de preços dos combustíveis durante o primeiro governo Dilma Rousseff. Em 2014, com efeito também de baixas contábeis relacionadas a corrupção e projetos deficitários, o prejuízo do segmento foi de R$ 38,9 bilhões.

A possibilidade de privatização das refinarias dá força à greve que os petroleiros realizam desde o dia 1º de fevereiro. O movimento foi iniciado em protesto contra a demissão de cerca de mil pessoas com o fechamento da fábrica de fertilizantes Araucária Nitrogenados, no Paraná.

Com o risco de novas demissões e perda de benefícios com a transferência das refinarias, os trabalhadores têm se mobilizado no que acreditam ser a maior greve da categoria desde 1995, quando ficaram parados por 32 dias.

Segundo os sindicatos, a greve mobiliza 18 mil empregados em plataformas, refinarias e outras unidades em 13 estados. Nesta sexta (7) a Petrobras anunciou que buscará trabalhadores temporários para compensar a falta de contingente em suas unidades durante a greve.