Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.667,66
    +293,79 (+0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.232,20
    -741,07 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,80
    +1,37 (+1,60%)
     
  • OURO

    1.813,10
    +0,70 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    42.268,52
    -76,39 (-0,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.007,62
    -1,77 (-0,18%)
     
  • S&P500

    4.577,11
    -85,74 (-1,84%)
     
  • DOW JONES

    35.368,47
    -543,34 (-1,51%)
     
  • FTSE

    7.563,55
    -47,68 (-0,63%)
     
  • HANG SENG

    24.112,78
    -105,25 (-0,43%)
     
  • NIKKEI

    27.877,67
    -379,58 (-1,34%)
     
  • NASDAQ

    15.193,25
    -12,75 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3118
    +0,0047 (+0,07%)
     

Em ano de pandemia, Brasil tem superávit comercial de US$ 61 bi em 2021

·2 min de leitura

BRASÍLIA, DF (UOL/FOLHAPRESS) - Ainda sob os efeitos da pandemia do novo coronavírus, o Brasil encerrou o ano de 2021 com uma balança comercial superavitária de US$ 61,008 bilhões, informou nesta segunda-feira (3) a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. O valor é recorde para um único ano. O montante foi resultado de exportações de US$ 280,394 bilhões durante o ano passado, menos as importações de US$ 219,386 bilhões.

Conforme a secretaria, o país registrou no período uma corrente de comércio total de US$ 499,780 bilhões. A corrente de comércio, que reflete a soma entre importações e exportações de produtos em geral, é um dos indicadores utilizados por economistas para medir o grau de abertura do país ao comércio internacional. Quando maior a corrente de comércio, maior a abertura.

Os US$ 61,008 bilhões de superávit em 2021 superaram em 21,1% o resultado obtido em 2020, quando a balança havia sido positiva em US$ 50,393 bilhões. As exportações de produtos no ano passado, em valores, cresceram 34,0%, considerando a média por dia útil. Já as importações aumentaram 38,2%.

Na apresentação dos números, a Secex justificou o resultado destacando a "forte recuperação mundial em 2021, resultado do aumento da vacinação e de programas de estímulo em países com espaço fiscal disponível".

Além disso, a secretaria citou o cenário com preços de commodities elevados. "Países como o Brasil tiveram suas exportações impulsionadas em nível recorde, com ganhos de bem-estar provenientes de aumento dos termos de troca", registrou.

As exportações superaram as importações também em dezembro. De acordo com a secretaria, a balança comercial brasileira no último mês do ano foi superavitária em US$ 3,948 bilhões. O valor foi resultado de exportações de US$ 24,366 bilhões e de importações de US$ 20,418 bilhões.

A corrente de comércio no último mês do ano somou US$ 44,784 bilhões.

A Secex também divulgou nesta segunda-feira seus primeiros cálculos para a área comercial em 2022. De acordo com a secretaria, a projeção para a balança comercial no ano é de saldo positivo de US$ 79,4 bilhões — portanto, cerca de 30% acima do verificado em 2021.

A estimativa da secretaria para as exportações em 2022 é de US$ 284,3 bilhões, enquanto a projeção para as importações é de US$ 204,9 bilhões.

Segundo o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, Lucas Ferraz, essas projeções não consideram o risco de uma nova onda de covid-19 prejudicar o comércio internacional.

"Não trabalhamos com a possibilidade de uma nova onda de covid que possa distorcer estas previsões", afirmou Ferraz, durante entrevista à imprensa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos