Mercado fechará em 3 h 34 min
  • BOVESPA

    113.764,23
    +2.580,27 (+2,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.629,82
    +252,35 (+0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,19
    +2,91 (+4,75%)
     
  • OURO

    1.717,50
    +1,70 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    49.686,84
    -1.066,79 (-2,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    997,09
    +9,88 (+1,00%)
     
  • S&P500

    3.824,00
    +4,28 (+0,11%)
     
  • DOW JONES

    31.317,73
    +47,64 (+0,15%)
     
  • FTSE

    6.652,82
    -22,65 (-0,34%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.688,75
    +7,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7077
    -0,0710 (-1,05%)
     

No ano da pandemia governo central tem déficit primário recorde de R$743,087 bi

·2 minuto de leitura
REUTERS/Bruno Domingos

BRASÍLIA (Reuters) - O governo central, composto por Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social, registrou um déficit primário de 44,113 bilhões de reais em dezembro, fechando 2020 com déficit de 743,087 bilhões de reais, o pior resultado desde o início da série histórica do Tesouro e equivalente a 10% do PIB.

Em decorrência do estado de calamidade pública, o governo não precisou cumprir em 2020 a meta de déficit primário, de 124,1 bilhões de reais, ficando liberado para gastar com medidas para o efrentamento da pandemia da Covid-19.

No ano, essas despesas somaram 520,9 bilhões de reais, de acordo com o Tesouro, com mais da metade desse valor (293,1 bilhões de reais) direcionada ao pagamento do auxílio emergencial às famílias vulneráveis.

Apesar de recorde, o déficit de 2020 foi menor do que o estimado pelo Ministério da Economia para o período, de 831,8 bilhões de reais, com a receita líquida superando em 12,7 bilhões de reais a estimativa e a execução de despesas ficando 76 bilhões de reais abaixo do previsto.

Em 2019, o rombo nas contas públicas havia sido de 95,065 bilhões de reais.

Para o mês de dezembro, o dado veio pior que a projeção de um déficit de 35,6 bilhões de reais, segundo pesquisa Reuters com analistas.

Em nota, o Tesouro voltou a enfatizar a necessidade de cumprimento do teto de gastos, ressaltando que o mecanismo tornou-se "ainda mais relevante e necessário" diante da elevação do endividamento público, em razão das medidas de combate aos efeitos da pandemia e do "esforço fiscal futuro" para recuperar a trajetória de sustentabilidade das finanças públicas.

Ao mencionar o aumento recente das incertezas em torno dos impactos da segunda onda da pandemia do coronavírus, o Tesouro reiterou que o espaço fiscal que o país tem para implementar novas medidas é "limitado".

"Dessa forma, recomenda-se a manutenção da regra do teto como a melhor estratégia para a retomada do processo de consolidação fiscal, garantindo que despesas temporárias não se tornem permanentes", pontuou em documento.

(Por Gabriel Ponte)