Mercado abrirá em 3 h 10 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,63
    -0,14 (-0,27%)
     
  • OURO

    1.853,70
    -1,50 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    31.871,36
    -496,93 (-1,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    644,81
    -32,09 (-4,74%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.670,22
    +31,37 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.435,75
    -39,75 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Em 2020, pelo menos 360 mil vírus para computador foram criados por dia

Ramon de Souza
·2 minuto de leitura

De acordo com o Boletim de Segurança da Kaspersky de 2020, não foi apenas o novo coronavírus (SARS-CoV-2) que se replicou ao redor do mundo ao longo dos últimos meses. Segundo a companhia, só neste ano, foram criados cerca de 360 mil novos vírus para computadores e smartphones por dia — se fizermos uma conta rápida levando em consideração 365 dias, estamos falando de um total de 131,4 milhões de ameaças.

Esse valor representa uma alta de 5,2% (ou cerca de 18 mil a mais por dia) em comparação com 2019. Desse montante, a maioria (60%) dos malwares eram trojan genéricos, cuja incidência teve um crescimento de 40,5%. Logo em seguida temos os backdoors — dedicados a criar brechas escondidas nos sistemas para que outros vírus entrem —, cujo aumento foi de 23%. Os adwares, para a nossa alegria, sofreram um declínio de 35%.

O mais interessante do panorama traçado pela Kaspersky é que as ameaças para Android diminuíram (em 13,7%), sendo que malwares focados no sistema Windows representaram 89,80% dos scripts maliciosos identificados. Tal fenômeno tem uma explicação: com a popularidade do trabalho remoto, os criminosos preferiram se focar em desktops e esquecer, pelo menos por enquanto, os dispositivos móveis.

“Ao longo do último ano, nossos sistemas de detecção descobriram muito mais novos objetos maliciosos do que em 2019. Devido à pandemia, usuários do mundo inteiro foram forçados a passar mais tempo em seus dispositivos e online. É difícil saber se os atacantes estiveram mais ativos ou se nossas soluções detectaram mais arquivos maliciosos, simplesmente, porque a atividade foi maior”, explica Denis Staforkin, especialista em segurança da Kaspersky.

“Pode ser uma associação dos dois fatores. De qualquer maneira, neste ano, registramos um aumento notável no número de novos arquivos maliciosos, e é provável que isso continue em 2021, pois os profissionais continuam trabalhando de casa e cada país implementa restrições diferentes. No entanto, se os usuários tomarem precauções básicas de segurança, poderão reduzir significativamente o risco de encontrá-los”, finaliza.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: