Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.114,43
    -1.084,85 (-1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Em 20 dias de crise, 4 ideias (algumas pouco convencionais) e nenhuma saída à vista para desatar o nó do Orçamento

Manoel Ventura
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Desde o último dia 25 de março, quando o Congresso aprovou o Orçamento de 2021 com medidas que, segundo o ministério da Economia, tornavam o texto "inexequível", várias ideias já foram colocadas na mesa para tentar resolver o impasse e evitar que o país entre em 'shudown', ou seja, a paralisia da máquina pública por falta de recursos.

Mas, até agora, não há sinais de que o impasse será resolvido. E o governo corre contra o tempo, porque o presidente Jair Bolsonaro precisa sancionar o projeto até o dia 22 de abril.

O projeto aprovado no Congresso cortou despesas obrigatórias, como gastos com a Previdência e o seguro-desemprego, para aumentar em R$ 26,4 bilhões as emendas parlamentares.

As despesas obrigatórias, como o nome sugere, precisam ser pagas, independemente do tamanho previsto para elas no Orçamento. Com esses gastos subestimados, o governo corre dois riscos: deixar de cumprir essas obrigações, o que seria crime de responsabilidade, ou cortar em outras áreas para garantir esses pagamentos — o que poderia paralisar o governo.

Para a equipe econômica, só o fato de sancionar o Orçamento com esse desequilíbrio já configuraria um crime de responsabilidade, passível de impeachment. Por isso, quer que o presidente Jair Bolsonaro vete todas as emendas que extrapolaram o limite.

Conheça abaixo as propostas que já foram apresentadas pela equipe econômica e por parlamentares para resolver o impasse.

As alternativas

Nova PEC

Ganhou força nos últimos dias a possibilidade de o governo enviar ao Congresso uma A PEC poderia ainda permitir gastos com obras fora do teto, o que atenderia aos interesses dos parlamentares.A ideia, porém,

Veto parcial ou total e PLN

Outra possibilidade é vetar parte das emendas parlamentares ou todas as alterações feitas pelo relator, senador Márcio Bittar (MDB-AC), para recompor os gastos obrigatórios. Para aumentarr a previsão desses gastos, será necessário enviar ao Congresso ainda um projeto de lei chamado tecnicamente de PLN.

Bolsonaro fora do país

Uma preocupação da área técnica do Ministério da Economia é a possibilidade de o presidente Jair Bolsonaro ser acusado de crime de responsabilidade fiscal e dar brechas a um eventual processo de impeachment ao sancionar um Orçamento com previsão subestimadas das despesas obrigatórias.Por isso, assessores do Palácio do Planalto chegaram a aconselhar Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão a viajarem para fora do país e deixarem o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), sancionar o Orçamento.O presidente da Câmara é o terceiro na linha de sucessão da Presidência da República, seguida pelos presidentes do Senado e do Supremo Tribunal Federal.

Consulta ao TCU

O governo também esperava uma reposta do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre o Orçamento aprovado. Mas ministros do TCU sinalizaram que Parlamentares