Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,31 (-0,36%)
     
  • OURO

    1.836,10
    +4,30 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    35.243,06
    +25,54 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,25 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,64 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -15,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

·1 min de leitura

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos gravados e publicado nas redes sociais, desde 2006.

"Peço mais uma vez e insisto: levem esse vírus a sério. A nova variante ômicron parece ainda mais contagiosa que as anteriores. Vacinem-se. Não importa se é uma primeira dose ou uma dose reforço. Qualquer vacinação é útil", disse a chanceler alemã na mensagem. Ela ressaltou que a quarta onda da Covid-19 na Alemanha é "dramática" em algumas regiões, onde as unidades de terapia intensiva estão sobrecarregadas. "Isso poderia ter sido evitado. Com vacinas eficazes e seguras, temos a solução", insistiu Merkel.

A líder, que na próxima quarta-feira (8) passará o poder ao futuro chanceler Olaf Scholz agradeceu ainda à "grande maioria" de cidadãos que "respeitam as regras" e tem "senso cívico." Uma das primeiras tarefas do próximo governo, formado por uma coalizão de social-democratas, verdes e liberais, será a aprovação de um projeto de vacinação obrigatória contra a Covid-19, a partir de fevereiro ou março de 2022, que é apoiado por boa parte dos partidos políticos.

Restrições para vacinados

Em meio a uma grave onda epidêmica, a chanceler decidiu, nesta quinta-feira (2), aumentar as restrições para pessoas não vacinadas contra a Covid-19, na tentativa de conter a quarta onda de infecções.


Leia mais

Leia também:
Alemanha cogita tornar vacinação anticovid obrigatória para toda a população
Covid-19: diante de superlotação de hospitais, Alemanha transfere paciente à Itália
Explosão de casos de Covid na Alemanha leva Munique a cancelar tradicional feira de Natal

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos