Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.781,90
    -23,60 (-1,31%)
     
  • BTC-USD

    16.974,04
    +249,24 (+1,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

Emílio Odebrecht tem palavra final na seleção do novo presidente do grupo

BRUNA NARCIZO
·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* Salvador, BA, Brasil, 21/1/2008, 14h00: Emilio Odebrech. (Foto: Caio Guatelli/Folhapress)
*ARQUIVO* Salvador, BA, Brasil, 21/1/2008, 14h00: Emilio Odebrech. (Foto: Caio Guatelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Embora esteja afastado do comando do Grupo Odebrecht, Emílio Odebrecht, o patriarca da família, terá a palavra final na escolha do nome do novo presidente do grupo.

O grupo passa por um processo sucessório comandado pela consultoria Korn Ferry, que foi contratada para encontrar o novo presidente do conglomerado. A empresa afirma que a escolha será feita pelo conselho de administração do grupo, que é composto por cinco membros, sendo três deles independentes.

Emílio deixou o comando do conselho em junho de 2018 para sinalizar ao mercado que a família se manteria afastada dos negócios

Ele foi condenado na ação do sítio de Atibaia, acusado de ter financiado reforma em sítio frequentado pelo ex-presidente Lula. Ele está recorrendo contra a decisão e, por isso, ainda não começou a cumprir a sua pena. Emilio também firmou acordo de colaboração premiada com a força-tarefa da Operação Lava Jato.

Entre os termos exigidos pelas autoridades americanas, estava a exigência de que alguns dos 78 delatores da empreiteira seriam afastados de cargos administrativos no grupo.

Emílio segue dando as cartas na empresa. O atual presidente do grupo, Ruy Lemos Sampaio, é seu amigo. O filho primogênito e ex-presidente do grupo, Marcelo Odebrecht, segue afastado da empresa. Pai e filho romperam relações no auge das investigações da Lava Jato, quando Marcelo estava preso na Polícia Federal, em Curitiba.

Quem também terá uma função importante na escola é o irmão mais novo de Marcelo, Maurício, que atualmente é um dos membros do conselho da empresa.

Inicialmente, a direção atual e a família preferiam que o processo sucessório no grupo ocorresse de forma privada.

Segundo pessoas ligadas ao grupo ouvidas pela reportagem, no entanto, a própria consultoria Korn Ferrry acionou o conselho de administração da empresa afirmando que não seria possível tocar o processo seletivo sem que outros funcionários ficassem sabendo.

A Korn Ferry recebeu a indicação de três nomes, que já atuam na empresa: Marco Rabello, principal executivo financeiro da holding da família; Juliana Baiardi, atual presidente da empresa de etanol Atvos; e Roberto Simões, presidente da petroquímica Braskem.

Executivos e pessoas ligadas à empresa, que pediram para que seus nomes fossem mantidos em sigilo, acreditam que dificilmente a solução será interna. O único consenso é que a palavra final será de Emílio.

A empresa afirmou, via comunicado, que "contratou a Korn Ferry, empresas especializada em planejamento sucessório, que está conduzindo entrevistas com candidatos externos e internos."

Entre os nomes cotados internamente, Simões já teria dito para interlocutores que não gostaria de assumir o cargo. A escolha de Baiardi seria vista como uma espécie de bandeira branca entre pai e filho. Não há, no entanto, nenhum sinal de trégua entre eles.

Fato é que o nome escolhido terá um grande desafio pela frente. Além da briga com Marcelo Odebrecht, terá que lidar com a recuperação judicial do grupo, considerada a maior da história do país, com dívidas totais estimadas em R$ 98,5 bilhões.