Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,80
    -1,48 (-1,94%)
     
  • OURO

    1.749,20
    -4,80 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    16.256,93
    -228,40 (-1,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    382,06
    -0,59 (-0,16%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    28.131,74
    -151,29 (-0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.685,75
    -97,00 (-0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6174
    -0,0070 (-0,12%)
     

Elon Musk teria cogitado tornar todo o Twitter um serviço pago

Elon Musk pode ter discutido com a alta cúpula do Twitter a colocação de toda a rede social atrás de um paywall. É o que afirma o site Platformer, que teria obtido acesso exclusivo a materiais com tais planos. Na prática, isso significaria tornar a plataforma um site acessível somente para quem estivesse disposto a pagar.

A proposta seria um desdobramento de um possível prejuízo decorrente do novo modelo de assinatura do Twitter Blue. O relançamento do sistema, que ofereceria o selo azul e menos publicidade no aplicativo, poderia render menos dinheiro do que os anúncios hoje veiculados para todos.

Tudo isso teria ocorrido de modo fechado, sem a participação de funcionários ou qualquer formalização, quer seja em uma reunião por videoconferência, quer seja por e-mail. Trabalhadores da rede social teriam alegado que, após as demissões da semana passada, muitos sequer sabem quais os gerentes a quem responder pelo trabalho.

Entenda como as assinaturas do Blue podem gerar prejuízo e como funcionaria o suposto paywall para todos no Twitter:

O problema do Twitter Blue

Quando foi lançado no ano passado, o Twitter Blue tinha como objetivo oferecer recursos extras para quem é heavy user da rede social. O foco era entregar utilitários para facilitar a rotina de quem lida diariamente com textos, fotos e vídeos na plataforma, além de dar um gostinho prévio do que está por vir com os recursos em fase beta.

O que os executivos queriam, de verdade, era gerar uma nova forma de receita para o passarinho. A plataforma sempre dependeu do dinheiro dos anunciantes para se sustentar, mas o investimento caiu nos últimos anos, deixando as finanças delicadas. Desde que assumiu oficialmente o Twitter, o "efeito Musk" fez muitas marcas deixarem a plataforma com temor de elevação no ambiente tóxico.

O selo de verificação é concedido pelo Twitter com base em uma série de critérios, mas isso poderia mudar com o Blue (Imagem: Reprodução/Twitter)
O selo de verificação é concedido pelo Twitter com base em uma série de critérios, mas isso poderia mudar com o Blue (Imagem: Reprodução/Twitter)

O medo seria decorrente do retorno de contas banidas por infringir as regras da plataforma. Discursos de ódio, movimentos antivacina e anticiência, supremacistas e outros grupos extremistas poderiam ter sua voz restaurada no Twitter. E obviamente que a maioria dos anunciantes não quer ver sua propaganda associada a pessoas com atitudes socialmente condenáveis.

Com o Blue, uma receita pequena, porém constante, passou a engordar o caixa. Mas quando Elon Musk anunciou a alteração do preço e a liberação do selo azul para os assinantes, o tiro parece ter atingido o próprio pé.

A atualização mais recente do aplicativo, lançada no sábado, dizia que o novo Blue já estava disponível. Mas o serviço ainda não estava implementado, logo os inscritos ainda não tinham recebido o selo azul e apenas poderiam desfrutar os recursos originais.

Nova versão poderia trazer prejuízos

Após questionamentos sobre possíveis efeitos de se liberar milhares de contas novas e verificadas em meio às eleições de meio de mandato nos Estados Unidos, a empresa precisou adiar o lançamento. Isso obviamente fez com que muita gente que assinou o serviço o cancelasse, com a frustração de ter gastado seus US$ 8 em vão.

A versão atual do Blue tem pouco mais de 100 mil assinantes ativos, segundo a Platformer. A reformulação deixaria o preço 37,5% mais caro, valor que pode pesar no bolso. Seria necessário oferecer muito mais que as funcionalidades atuais, e o marketing pessoal agressivo de Musk, para convencer as pessoas a assinar.

O Twitter usa anúncios no feed e em outras áreas há muitos anos (Imagem: Reprodução/Twitter)
O Twitter usa anúncios no feed e em outras áreas há muitos anos (Imagem: Reprodução/Twitter)

A equipe do Twitter tentou convencer o bilionário a criar um sistema de recursos extras para contas comerciais e governamentais, já que muitas usam a rede para alcançar seus públicos. A ideia teria sido deixada de lado em favor de oferecer a verificação em grande escala antes.

Mas o maior problema em oferecer o Blue reformulado, seria a redução pela metade da carga de anúncios no aplicativo do Twitter — promessa de última hora feita pelo CEO da SpaceX. Essa ideia de Musk é interessante para o usuário, porém péssima para a empresa: estimativas da Platformer mostram que o Twitter perderia cerca de US_jobs(data.conteudo)nbsp;2 por usuário em receita de anúncios somente nos Estados Unidos.

Ao se considerar as comissões cobradas pela Apple e pelo Google sobre o valor da assinatura mensal de US$ 8, que chegam a 30% do valor arrecadado, o Twitter deixaria de ganhar muito dinheiro com a mudança. O CEO da rede social teria sido alertado por executivos, como a diretora de gerenciamento de produtos da empresa Esther Crawford, mas ignorou completamente o pedido.

"Há um tomador de decisões e sou eu", teria dito Musk, de acordo com atas de reunião compartilhadas com funcionários no Slack. A decisão tomada levou ao próximo passo: a cobrança para acesso ao conteúdo.

Paywall para todos

Em 2018, o <a class="link " href="https://canaltech.com.br/empresa/facebook/" rel="nofollow noopener" target="_blank" data-ylk="slk:Facebook">Facebook</a> testou um paywall para notícias na rede social, mas acabou deixando a ideia de lado devido à rejeição (Imagem: Reprodução/Tech Crunch)
Em 2018, o Facebook testou um paywall para notícias na rede social, mas acabou deixando a ideia de lado devido à rejeição (Imagem: Reprodução/Tech Crunch)

Na semana passada, o Twitter anunciou uma ferramenta para os criadores publicarem seus vídeos e escondê-los atrás de um paywall. Quem quiser ver o conteúdo precisará desbloqueá-lo mediante o pagamento de uma quantia em dólares. Esse é um formato consagrado pelo site OnlyFans, famoso pelos vídeos pornográficos, mas inédito na rede social do passarinho.

Com o Twitter Blue dando prejuízo para empresa, Musk teria sugerido uma solução drástica: o paywall para tudo. A ideia seria cobrar de todos uma taxa de assinatura para usar o Twitter.Uma das sugestões ventiladas seria o estabelecimento de um tempo limitado a cada mês para uso, exigindo uma assinatura para continuar navegando. A proposta teria sido discutida com conselheiros da empresa em reuniões recentes, mas sem qualquer consulta aos trabalhadores.

Esse é um modelo muito usado por sites jornalísticos, que estabelecem uma quantidade limitada de matérias acessíveis gratuitamente antes de fechar os conteúdos para o modelo pago. O paywall nos veículos de comunicação é considerado um dos fatores de fortalecimento da desinformação e das fake news pelo mundo, afinal o conteúdo falso circula livremente, enquanto o verdadeiro e de qualidade fica confinando a uma dúzia de assinantes.

Qual é o futuro do Twitter?

Ainda não se sabe se essas propostas de paywall no Twitter são verdadeiras. A rede social não comentou publicamente sobre o assunto nem deve fazê-lo, afinal os poucos funcionários que lá estão precisam se desdobrar para manter o serviço em funcionamento.

Enquanto isso, o rival Mastodon, que também utiliza um modelo de microblogging, segue em crescimento acelerado desde o dia 27 de outubro. De lá para cá, houve um acréscimo de quase 500 mil novos usuários, permitindo o alcance de um milhão de pessoas ativas.

A verdade é que um modelo defasado como esse vai penalizar os usuários atuais e afastar a entrada de novas pessoas, o que possivelmente afugentaria ainda mais os anunciantes. O Twitter nunca mais será o mesmo, como o próprio dono já afirmou algumas vezes, mas espera-se que a mudança seja para melhor.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: