Mercado abrirá em 4 h 39 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,52
    +0,32 (+0,41%)
     
  • OURO

    1.767,70
    +4,00 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    16.882,43
    +391,39 (+2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    401,02
    +12,30 (+3,16%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.418,14
    +213,46 (+1,17%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.537,50
    +12,75 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4671
    +0,0105 (+0,19%)
     

Elon Musk quer demitir metade dos funcionários do Twitter e acabar com home office

Elon Musk pretende demitir funcionários do Twitter para cortar custos (Getty Image)
Elon Musk pretende demitir funcionários do Twitter para cortar custos (Getty Image)
  • Twitter deve demitir ao menos metade dos funcionários que trabalham na empresa;

  • Elon Musk quer fazer mudanças para cortar custos operacionais;

  • Homem mais rico do mundo também que extinguir o home office.

Após concluir o acordo bilionário de compra do Twitter, Elon Musk pretende fazer profundas alterações na estrutura da empresa. De acordo com a agência de notícias Bloomberg, o empresário planeja demitir cerca de 3,7 mil funcionários da companhia.

Na prática, o homem mais rico do mundo pode deixar metade dos trabalhadores da corporação sem trabalho. Indícios apontam que os cortes têm como objetivo cortar custos no Twitter.

O advogado de celebridades Alex Spiro, representante legal de Musk há anos, esteve à frente das conversas sobre os cortes de empregos, conforme apuração realizada pelo The Washington Post.

Ainda nesta semana, Musk dissolveu o Conselho de Administração da companhia e se declarou como o único diretor da empresa.

Em comunicado que mandou à SEC, órgão regulador do mercado norte-americano, equivalente à Comissão de Valores Mobiliários no Brasil, a rede social informou que os nove membros do colegiado não fazem mais parte da companhia.

Fim do home office

Conhecido por comandar uma fábrica da carros elétricos, a Tesla, Elon Musk é inimigo declarado do trabalho remoto. Após a retomada das atividades presenciais, o empresário tem extinguido o regime nas empresas que administra.

O bilionário pretende revogar a política interna de “trabalhe de qualquer lugar”, forçando os funcionários restantes a retornar ao escritório. A decisão vai de contramão ao fluxo que as empresas de tecnologia têm adotado nos últimos anos.