Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,60
    +0,59 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.797,80
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    16.876,90
    -199,99 (-1,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    396,00
    -6,03 (-1,50%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.553,59
    -132,81 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.493,50
    -16,00 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4665
    +0,0001 (+0,00%)
     

Elon Musk planeja demitir metade dos funcionários do Twitter

Elon Musk planeja cortar cerca de 3.700 empregos do Twitter, cerca de metade da força de trabalho, para diminuir custos — é o que diz uma reportagem da Bloomberg publicada nesta quarta-feira (2). Um relatório aponta que os funcionários afetados serão informados ainda nesta sexta-feira.

Segundo os informantes da Bloomberg, além das demissões, o bilionário também pretende reverter a política do anywhere office da empresa, exigindo que os funcionários voltem a trabalhar no escritório — embora algumas exceções possam ser feitas.

No último domingo (30), através de um tweet, Musk negou uma reportagem do New York Times sobre demitir funcionários do Twitter antes do dia 1º de novembro para evitar o pagamento de subsídios de ações devidos no dia.

Após a aquisição da plataforma de miniblog, na última quinta-feira (27), Elon demitiu a cúpula do Twitter, incluindo o chefe executivo do Twitter, Parag Agrawal, o diretor financeiro Ned Segal e a chefe de assuntos jurídicos e políticos, Vijaya Gadde.

Segundo o site The Information, os executivos foram demitidos por "justa causa", acusados de enganar Musk e os investidores do Twitter sobre o número de contas falsas na plataforma. Os executivos receberiam pagamentos de separação que totalizavam cerca de US$ 122 milhões (R$ 622 milhões), diz a empresa de pesquisa Equilar.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: