Mercado fechado

Elon Musk e Jeff Bezos ficaram ainda mais ricos durante a pandemia

Stephanie Kohn

Existe um antigo ditado que diz que existem apenas duas certezas na vida: a morte e os impostos. Mas, nos tempos atuais, existe uma terceira afirmação: os bilionários estão ficando ainda mais ricos com a pandemia, especialmente nos Estados Unidos. A riqueza da elite americana aumentou 19% desde o início do COVID-19, sendo que somente na última semana houve um acréscimo de US$ 79 bilhões em suas fortunas.

Com isso, segundo o Institute for Policy Studies (Instituto de Estudos Políticos), a riqueza total dos bilionários norte-americanos chegou a US$ 3,5 trilhões - um número bastante grande quando se contrasta com os 21,5 milhões de americanos que estão recebendo auxílio desemprego. Quando a comparação é feita com o Brasil, o negócio piora. Por aqui, cerca de 100 milhões de pessoas pediram auxílio emergencial ao governo.

Entre os bilionários, Jeff Bezos, da Amazon, um dos mais ricos do mundo, conseguiu a façanha de aumentar em quase 30% a sua fortuna, adicionando US$ 34 bilhões desde janeiro de 2020.Bezos começou o ano com módicos US$ 115 bilhões e com a chegada da pandemia chegou a perder US$ 2 bilhões devido ao colapso do mercado de ações. No entanto, em abril, a Amazon bateu recorde de valorização, com o aumento do interesse do consumidor durante o isolamento social, e o fundador do maior e-commerce do mundo colheu bons frutos.

Outro bilionário que também encheu os bolsos foi Elon Musk, da Tesla. Ele viu sua fortuna aumentar 55%, adicionando US$ 15,3 bilhões desde o início de 2020. Mark Zuckerberg também registrou altos ganhos e embolsou US$ 9 bilhões a mais, o que representa um crescimento de 11% na sua riqueza. Steve Ballmer, ex-CEO da Microsoft, também levou US$ 11 bilhões a mais no período.

Fonte: Canaltech