Mercado fechará em 1 h 21 min

Elon Musk é a primeira pessoa na história a perder R$ 1 trilhão

Elon Musk se torna a primeira pessoa a perder R$ 1 trilhão (Jonathan Newton/The Washington Post via Getty Images)
Elon Musk se torna a primeira pessoa a perder R$ 1 trilhão (Jonathan Newton/The Washington Post via Getty Images)
  • Queda no patrimônio do bilionário está ligado às ações da Tesla;

  • Musk culpa a alta taxa de juros do governo americano pelo mau desempenho;

  • SpaceX supera Tesla como ativo mais valioso na fortuna de Elon.

Assim que iniciou 2022, Elon Musk era a pessoa mais rica do mundo, liderando a lista de bilionários da Forbes. Agora, no entanto, o CEO da Tesla se tornou o primeiro em outra categoria: a primeira pessoa na história a perder US$ 200 bilhões, ou R$ 1 trilhão na cotação atual.

Em 2021, Musk havia sido a segunda pessoa do mundo a acumular um patrimônio líquido maior de US$ 200 bilhões, alguns meses depois de Bezos alcançar o mesmo feito. Sua fortuna atingiu o ápice em novembro do mesmo ano, chegando a US$ 340 bilhões (R$ 1,8 trilhão).

Contudo, o CEO da Tesla e do Twitter conseguiu perder boa tarde de sua fortuna, que despencou para US$ 137 bilhões. A queda é atribuída em grande parte à desvalorização das ações da Tesla, sua empresa de veículos elétricos. Só em 2022 o preço do papel da empresa caiu 65%, segundo a Bloomberg.

Musk, que era a pessoa mais rica do mundo até o final de dezembro de 2022, quando Bernard Arnault, magnata europeu do mercado de luxo, o ultrapassou, tinha como base de sua fortuna as ações da Tesla. A queda desta, e a grande venda realizada por Elon para financiar a compra do Twitter, fez com que este perdesse também a posição de seu principal ativo.

De acordo com a Bloomberg, a participação acionária de Musk na SpaceX tem um valor de US$ 44,8 bilhões (R$ 239 bilhões), superando seus atuais US$ 44 bilhões em ações da Tesla. Enquanto a Tesla passa por maus momentos, reduzindo a produção em suas fábricas na China, a SpaceX assume cada vez mais uma posição de destaque nas missões espaciais americanas.

Para Musk, no entanto, a queda nas ações da Tesla não foi causada por problemas na empresa, seja na produção ou na liderança, mas sim pela decisão do Federal Reserve, banco central americano, de aumentar a taxa de juros nos EUA, o que teria resultado em uma fuga de investimentos em ações para opções mais seguras, como títulos do governo. “A Tesla está executando melhor do que nunca!” ele escreveu no Twitter no mês passado. “Não controlamos o Federal Reserve. Esse é o verdadeiro problema aqui.”