Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,37
    -0,15 (-0,17%)
     
  • OURO

    1.734,30
    +3,80 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    20.291,77
    +688,09 (+3,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    460,91
    +15,47 (+3,47%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.086,46
    +177,70 (+2,57%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.992,21
    +776,42 (+2,96%)
     
  • NASDAQ

    11.616,50
    -24,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1561
    -0,0118 (-0,23%)
     

Elon Musk desiste de comprar o Twitter

O bilionário Elon Musk, homem mais rico do mundo, informou nesta sexta-feira (8) que deixou o acordo de compra do Twitter.

Em documento enviado à SEC, órgão regulador do negócio nos Estados Unidos, ele afirmou que houve uma violação material de várias disposições do acordo.

"O Twitter falhou ou se recusou a fornecer essas informações. Às vezes, o Twitter ignorou os pedidos de Musk, às vezes os rejeitou por razões que parecem injustificadas e, às vezes, afirmou cumprir ao fornecer informações incompletas ou inutilizáveis a Musk", continuou.

O anúncio da saída de Musk do negócio acontece três meses depois que ele chegou a um acordo com o conselho de administração do Twitter para comprar a rede social por US$ 44 bilhões.

Na época, o homem mais rico do mundo falou: “A liberdade de expressão é a base de uma democracia em funcionamento, e o Twitter é a praça da cidade digital onde são debatidos assuntos vitais para o futuro da humanidade.”

Contas falsas foram problema para o negócio

Advogados de Musk fizeram ameaças em uma carta ao Twitter no início do mês passado que foi endereçada à Comissão de Valores Mobiliários. O texto diz que o magnata pediu repetidamente a informação desde 9 de maio, cerca de um mês depois de sua oferta de compra da empresa, para que ele pudesse avaliar quantas das 229 milhões de contas da empresa são falsas.

Os advogados de Musk disseram na carta que o Twitter se ofereceu apenas para detalhar os métodos da empresa para determinar o número de contas. Mas eles afirmam que isso é equivalente a recusar os pedidos de informações de Musk, que exige ter acesso a todos os dados dos levantamentos do Twitter para que ele mesmo possa fazer sua própria verificação das metodologias da empresa.

Segundo os advogados do executivo, Musk acreditava que a empresa estava resistindo aos pedidos e frustrando seus direitos de informação sob o acordo de aquisição, realizado em abril. O acordo permitia que Musk saia do negócio se houver um "efeito adverso material" causado pela empresa. Ele definiu isso como uma mudança que afeta negativamente os negócios ou condições financeiras do Twitter.

Parag Agrawal, CEO do Twitter, disse que a plataforma suspende mais de meio milhão de contas que parecem falsas a cada dia. De acordo com o executivo, a ação ocorre antes mesmo que os perfis sejam vistos, bloqueando aqueles que não passam nas verificações para garantir que sejam controlados por humanos e não por um software.

Como diretor, Musk prometeu "melhorias significativas"

O CEO da plataforma, Parag Agrawal, celebrou a inclusão do novo membro do conselho e disse, em seu perfil, que Musk “é um usuário apaixonado e um crítico intenso do serviço, que é exatamente o que precisamos no Twitter”. Em resposta, o bilionário disse que “espera ajudar a rede social a ter "melhorias significativas nos próximos meses".

Negativa de crédito para comprar o Twitter

O bilionário Elon Musk, dono da Tesla e da Space X, pediu crédito em três grandes instituições financeiras para comprar o Twitter. No entanto, a solicitação de US$ 43 bilhões negada.

A informação foi divulgada pela agência de notícias Bloomberg. De acordo com o site, as empresas procuradas pelo empresário foram a Blackstone, a Vista e a Brookfield. Fontes das instituições afirmaram que que elas rejeitaram a proposta.

Segundo uma fonte entrevista pelo portal, que não quiseram se identificar, "a Vista e a Blackstone não se mostraram interessadas em participar de nenhuma oferta potencial de Musk ou de qualquer outra parte no Twitter no momento."