Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.068,22
    +104,39 (+0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Elon Musk cria enquete no Twitter sobre 'anistia geral' de contas suspensas

A rede social passou por mudanças desde que foi comprada por Elon Musk (Getty Image)
A rede social passou por mudanças desde que foi comprada por Elon Musk (Getty Image)
  • Elon Musk já fez uma série de mudanças no Twitter;

  • Bilionário permitiu que a conta de Donald Trump fosse reativada;

  • Dono do Twitter fez enquete sobre anistia para perfis suspensos.

Quando Elon Musk comprou o Twitter, uma das principais promessas era de que a rede social teria mais "liberdade" para os usuários. Apesar de ter banido contas de paródia, que fizeram piadas sobre o bilionário, o homem mais rico do mundo cumpriu em partes o que disse que faria.

"O Twitter deveria oferecer uma anistia geral para contas suspensas, desde que não tenham infringido a lei ou enviado spam flagrantemente? Sim/Não", perguntou Musk.

Um restabelecimento das contas suspensas na rede social pode alarmar as autoridades governamentais, que estão particularmente interessadas em como o bilionário lida com o discurso de ódio.

Menos de um mês após o início das mudanças, a conta do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi reativada.

O político estava banido do Twitter desde a Invasão ao Capitólio dos EUA em janeiro de 2021. Na época, a plataforma acreditava que o empresário incitava a violência usando o perfil pessoal.

"Após uma análise detalhada dos tuítes recentes da conta @realDonaldTrump e do contexto em torno deles — especificamente sobre como eles estão sendo recebidos e interpretados dentro e fora do Twitter —, suspendemos permanentemente a conta devido ao risco de mais incitação à violência”, justificou a empresa.

Além da conta de Trump, o Twitter restabeleceu outras contas banidas, incluindo a de um site de paródia conservador e a de um psicólogo que violou as regras do Twitter sobre linguagem de identificação de pessoas trans.