Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,55
    -0,66 (-0,59%)
     
  • OURO

    1.840,40
    -0,80 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    30.182,91
    +1.193,84 (+4,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    671,63
    +19,40 (+2,97%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.120,68
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    26.461,98
    +59,14 (+0,22%)
     
  • NASDAQ

    11.956,75
    +78,50 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1725
    -0,0463 (-0,89%)
     

Elon Musk coloca em dúvida compra do Twitter

Elon Musk provocou dúvidas sobre o desejo de comprar o Twitter ao anunciar, nesta sexta-feira (13), a suspensão temporária da aquisição, à espera de detalhes sobre a proporção de contas falsas na rede social, para então reafirmar sua intenção de compra.

Algumas horas depois, no entanto, afirmou que continua "comprometido" a completar a operação, enquanto o mercado se questiona sobre suas verdadeiras intenções.

A ação do Twitter, com cotação na Bolsa de Valores de Nova York, operava em baixa de 9,7% no fechamento, a US$ 4,81 o papel, depois desabar 25% nos primeiros minutos após o anúncio da suspensão da compra.

"O acordo sobre o Twitter fica em suspenso de maneira temporária, à espera de detalhes que sustentem o cálculo de que as contas falsas representam efetivamente menos de 5% dos usuários", tuitou o homem mais rico do mundo em sua conta, que tem 93 milhões de seguidores.

O diretor-geral da rede social, Parag Agrawal, disse durante o dia que espera que a operação se efetive.

"Ainda que eu espere que o acordo seja concluído, devemos estar preparados para todos os cenários e continuar atuando em benefício dos interesses do Twitter", afirmou o executivo nesta sexta-feira na própria sede do pássaro azul.

Musk citou a erradicação das contas falsas e a transparência dos usuários como questões centrais para a compra do Twitter, uma operação para a qual ofereceu 44 bilhões de dólares no mês passado.

Ao anunciar o acordo no fim de abril, o CEO da Tesla disse que queria transformar a rede social em algo "melhor do que nunca", "derrotando os bots de spam e com a autenticação de todos os humanos".

Dados confiáveis sobre o número de usuários são considerados vitais para avaliar as futuras fontes de receita da empresa.

- "Espetáculo de terror" -

Nesta sexta-feira, publicou um link para um artigo de 2 de maio que fazia referência à última apresentação do Twitter às agências reguladoras americanas.

A apresentação afirmou que uma revisão interna chegou à conclusão de que o Twitter tinha 229 milhões de "usuários ativos diários monetizáveis" no primeiro trimestre do ano e que apenas 5% eram consideradas contas falsas ou de spam.

O analista Dan Ives, da Wedbush, disse que o "espetáculo circense" do Twitter pode virar um "espetáculo de terror de sexta-feira 13".

Investidores de Wall Street podem interpretar o tuíte como uma tentativa de Musk de sair do acordo ou forçar um preço menor, disse Ives.

"A aquisição do Twitter por Musk sempre foi destinada a ser uma estrada acidentada, e agora corre o risco de derrapar", comentou a analista Susannah Streeter, do Hargreaves Landsdown.

De acordo com ela, o número de spams e de contas falsas - e, do outro lado, o número de contas reais - é um dado crucial porque as futuras fontes de receita dependerão da publicidade ou das assinaturas pagas.

- "Falsa e enganosa" -

Musk é CEO da Tesla e SpaceX e sua fortuna é avaliada em 240 bilhões de dólares, segundo a revista Forbes.

Mas seu estilo de gestão já provocou problemas com as autoridades.

Ele enfrenta problemas judiciais desde que tuitou em 2018 que tinha recursos suficientes para retirar a Tesla da Bolsa, uma afirmação que um juiz determinou no mês passado como "falsa e enganosa".

Sua possível administração da rede social registrou problemas desde que anunciou publicamente a tentativa de compra.

O bilionário disse que é favorável a minimizar a moderação de conteúdo e ao retorno de Donald Trump à plataforma.

O ex-presidente americano foi expulso do Twitter e de outras redes sociais após o ataque ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021.

Grupos de ativistas pediram que os anunciantes boicotassem a plataforma se Musk abrisse as portas para publicações abusivas e de desinformação.

"Embora nunca questionemos a habilidade de Musk em concluir esta transação de uma perspectiva financeira, pensamos que o maior risco é que o próprio Elon tenha mudado de opinião", resumiu em nota o analista da CFRA, Angelino Zino.

Para Dan Ives, o empresário superestimou a solidez de suas ações da Tesla, que caíram fortemente desde o anúncio da compra do Twitter, e pode estar tentando proteger a fabricante de veículos elétricos.

"O fato de Musk criar tanta incerteza com um tuíte é muito preocupante para nós e para Wall Street" e levanta "muitas perguntas sem respostas concretas sobre a efetivação da transação", concluiu o analista.

dho/er/bl/pc/ll/dem/fp/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos