Mercado fechado

ELN da Colômbia confirma a morte do comandante Uriel

·1 minuto de leitura
Constantemente ativo nas redes sociais, Uriel era uma das figuras mais midiáticas do ELN
Constantemente ativo nas redes sociais, Uriel era uma das figuras mais midiáticas do ELN

O ELN, a última guerrilha reconhecida na Colômbia, confirmou nesta quinta-feira (29) a morte do comandante Uriel, um de seus principais chefes, morto no domingo em uma operação militar no noroeste do país, e prometeu honrar a queda no combate deste "autêntico guerrilheiro".

"Com dor revolucionária confirmamos a queda do companheiro Uriel, que entregou sua vida com alta dignidade pelos grandes ideais de transformação, justiça social, soberania e futuro da humanidade", disse a cúpula do Exército de Libertação Nacional (ELN), em um comunicado enviado por sua delegação de paz em Havana à AFP.

"A queda de Uriel nos compromete ainda mais com os propósitos de mudança na Colômbia e com as causas mais nobres da humanidade, essa é a maior honra e reconhecimento que devemos a ele", acrescentou o grupo insurgente.

A morte de Andrés Vanegas, o primeiro nome do líder guerrilheiro de 41 anos e uma das figuras mais midiáticas do ELN, foi anunciada no domingo pelo presidente colombiano, Ivan Duque, e é considerada o maior golpe ao ELN sob o seu mandato, que começou em 2018.

Em um discurso no domingo no departamento de Chocó, onde ocorreu o ataque, Duque destacou que Uriel era responsável por sequestros, assassinatos e recrutamento de menores. Também afirmou que foi um dos organizadores do atentado com carro-bomba realizado em janeiro de 2019 contra uma escola de cadetes em Bogotá, que deixou 22 vítimas, além do agressor.

rd/ll/aa/cc