Mercado fechará em 1 h 6 min
  • BOVESPA

    110.116,52
    -1.807,41 (-1,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.753,00
    -481,37 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,55
    -1,43 (-1,79%)
     
  • OURO

    1.782,60
    -27,00 (-1,49%)
     
  • BTC-USD

    17.083,43
    +69,04 (+0,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    403,63
    -7,59 (-1,85%)
     
  • S&P500

    4.006,77
    -64,93 (-1,59%)
     
  • DOW JONES

    34.007,38
    -422,50 (-1,23%)
     
  • FTSE

    7.567,54
    +11,31 (+0,15%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.829,00
    -181,25 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5218
    +0,0278 (+0,51%)
     

Elevar faixa de isenção do IR para R$ 5.000 é proposta para mandato, diz Wellington Dias

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.03.2021 - O senador eleito Wellington Dias (PT-PI). (Foto: Raul Spinassé/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 02.03.2021 - O senador eleito Wellington Dias (PT-PI). (Foto: Raul Spinassé/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O senador eleito Wellington Dias (PT-PI) disse nesta segunda-feira (14) que a promessa do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de elevar a faixa de isenção do Imposto de Renda de pessoas físicas para R$ 5.000 é uma meta "para o mandato" -que terá duração até 2026.

A fala de Dias, que hoje é coordenador da legenda nas negociações do Orçamento de 2023, reforça a sinalização de que o novo governo não deve discutir a implementação dessa medida no curto prazo. Ao citar o horizonte do mandato, ele também deixa a porta aberta para uma ampliação gradual da faixa de isenção do IR.

"É uma proposta para o mandato. Não está sendo tratada nem na PEC [da Transição] nem na reorganização do Orçamento", disse o senador eleito em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

A PEC (proposta de emenda à Constituição) da Transição está sendo negociada pelo PT para tirar as despesas com o Auxílio Brasil do teto de gastos, regra fiscal que limita o avanço das despesas à inflação.

A proposta deixaria R$ 175 bilhões do programa social (que voltará a se chamar Bolsa Família) fora do limite de gastos e liberaria os R$ 105 bilhões atualmente reservados à política para serem redistribuídos a outras ações que carecem de verba.

A PEC não trata, porém, de medidas tributárias, que devem ficar para depois. Como mostrou a Folha, integrantes do PT defendem a discussão da correção da tabela do IR apenas no próximo ano. Entre economistas do partido, há a avaliação de que a medida deveria ser tratada no âmbito de uma reforma mais ampla.

A promessa de ampliação da faixa de isenção a R$ 5.000 mensais foi levada por Lula ao programa eleitoral durante a campanha. Hoje, esse valor é de até R$ 1.903,98. Sem correção da tabela, trabalhadores que ganham 1,5 salário mínimo pagarão Imposto de Renda a partir do ano que vem.

O tema é delicado porque qualquer alteração nas faixas do IR significa abrir mão de receitas num momento em que o governo ainda tem perspectiva de conviver com déficits nas contas públicas.

O impacto tende a ser significativo, pois o reajuste da faixa de isenção teria o efeito de empurrar as demais faixas. A isenção prometida por Lula supera até mesmo a atual faixa máxima, focada em quem ganha acima de R$ 4.664,68.

Wellington Dias também reafirmou a intenção do PT de propor, na PEC da Transição, a retirada do Bolsa Família do limite de gastos, resultando no extrateto de R$ 175 bilhões.

Nesta segunda-feira (14), a agência de notícias Bloomberg noticiou que a equipe de Lula poderia avaliar uma alternativa mais conservadora, com uma autorização de R$ 130 bilhões fora do teto válida apenas em 2023.

"Todos que participamos [da transição] temos aí um comandante, o comandante que foi escolhido pelo povo, que é o presidente Lula. E foi com ele que foi batido o martelo, das opções que [se] tinha, qual a que a gente deverá seguir", disse o senador eleito, citando a proposta de retirar o Bolsa Família do teto de gastos.

Dias ressaltou, porém, que o grupo de economistas da transição -coordenado por Persio Arida, André Lara Resende, Nelson Barbosa e Guilherme Mello- será ouvido nas negociações.

Na noite desta segunda, o grupo divulgou uma nota informando que solicitou à coordenação da transição acesso ao atual texto da PEC da Transição e "aos dados que a embasaram". "Não houve definição de texto ou de valores alternativos à PEC atualmente em processo de elaboração no Congresso Nacional", diz a nota.

"Assim que disponibilizadas, as informações solicitadas serão analisadas e debatidas pela equipe de transição em novas reuniões."

A primeira reunião do grupo de economistas foi realizada em formato virtual na última sexta-feira (11). "Na ocasião, foram debatidos temas ligados à metodologia de trabalho, ao acesso às informações e ao apoio técnico necessário para o bom desenvolvimento do trabalho do grupo."