Mercado abrirá em 1 h 22 min
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,00
    -0,35 (-0,57%)
     
  • OURO

    1.787,30
    -5,80 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    55.074,85
    -25,85 (-0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.281,69
    +18,73 (+1,48%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.903,29
    +8,00 (+0,12%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.895,50
    -23,75 (-0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6479
    -0,0541 (-0,81%)
     

Tráfego no Canal de Suez é retomado após desencalhe de navio

Yusri Mohamed e Nadine Awadalla e Aidan Lewis
·3 minuto de leitura
Homem chacoalha bandeira do Egito ao ver o navio Ever Given liberado após dias encalhado no Canal de Suez

Por Yusri Mohamed e Nadine Awadalla e Aidan Lewis

ISMAILIA, Egito (Reuters) - O Canal de Suez, no Egito, será reaberto para o tráfego de navios em ambas as direções na noite desta segunda-feira, após o desencalhe de uma enorme embarcação porta-contêineres que bloqueava a importante via marítima há quase uma semana, com mais de 400 navios aguardando para cruzar a rota.

O presidente da Autoridade do Canal de Suez (SCA, na sigla em inglês), Osama Rabie, disse que o canal já está navegável após o navio Ever Given, com 400 metros de comprimento, ter sido desencalhado mais cedo nesta segunda-feira, sem danos.

"O navio foi liberado intacto e não tem problemas. Nós acabamos de conferir o fundo e o solo do Canal de Suez e, felizmente, parece estar sólido e não possuir problemas. Os navios vão avançar por ele hoje", disse Rabie à TV Nilo.

A autoridade informou às agências marítimas que comboios de navios retomarão o fluxo em ambas as direções do canal a partir das 19h (horário local), disseram dois agentes à Reuters.

O Ever Given ficou encalhado diagonalmente em um setor do sul do canal devido a ventos fortes na manhã da última terça-feira, interrompendo a passagem na mais curta rota de navegação entre Europa e Ásia.

Imagens ao vivo transmitidas por um canal de TV local mostraram o navio, cercado por rebocadores, movendo-se lentamente no centro do canal na tarde desta segunda-feira. A emissora, ExtraNews, disse que o navio avançava a uma velocidade de 1,5 nó.

Depois de trabalhos de dragagem e escavação que se estenderam ao longo do final de semana, agentes de resgate da SCA e uma equipe da empresa holandesa Smit Salvage tiveram sucesso em liberar parcialmente o navio ainda no início desta segunda-feira.

"A pressão para concluir essa operação rapidamente era evidente e sem precedentes", disse Peter Berdowski, CEO da Boskalis --proprietária da Smit Savage--, após o navio ser desencalhado.

A Evergreen Line, que afreta o Ever Given, confirmou que o navio foi liberado com sucesso, afirmando que a embarcação será reposicionada em um lago localizado entre duas seções do canal e inspecionado para averiguação de sua navegabilidade.

A Bernhard Schulte Shipmanagement (BSM), responsável técnica pelo navio porta-contêineres, disse que não há relatos de poluição ou danos à carga.

FILA

Pelo menos 400 embarcações aguardam para transitar pelo canal, incluindo dezenas de navios porta-contêineres, graneleiros, petroleiros e navios de gás natural liquefeito (GNL) ou gás liquefeito de petróleo (GLP), informou a TV Nilo.

A SCA disse mais cedo que poderia acelerar a passagem de comboios pelo canal assim que o Ever Given fosse liberado. "Não desperdiçaremos um segundo", disse Rabie à televisão estatal do Egito.

Segundo ele, podem ser necessários até três dias para liberação do acúmulo de navios gerado pelo encalhe. Mas o grupo do setor de transporte marítimo Maersk disse que o efeito em cascata da interrupção nas remessas globais pode perdurar por semanas ou meses.

O presidente do Egito, Abdel Fattah al-Sisi, que não havia comentado sobre o bloqueio em público, disse que o país pôs fim à crise e garantiu a retomada do comércio através do canal.

(Reportagem adicional de Omar Fahmy, Momen Saeed Atallah e Mahmoud Mourad no Cairo, Florence Tan em Cingapura, Anthony Deutsch e Bart Meijer em Amsterdã e Akshay Lodaya)