Mercado abrirá em 2 h 49 min
  • BOVESPA

    123.576,56
    +1.060,82 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,34
    -0,22 (-0,31%)
     
  • OURO

    1.817,60
    +3,50 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    37.822,20
    -814,41 (-2,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,38
    -19,07 (-2,02%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.133,70
    +27,98 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.053,00
    +6,75 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1608
    -0,0047 (-0,08%)
     

Eletropaulo é condenada a indenizar cliente de 80 anos por vazamento de dados

·3 minuto de leitura

Vazamentos de dados pessoais de consumidores infelizmente viraram rotina. E saber dessa falha pela imprensa também. Foi o que aconteceu com uma cliente de 80 anos da Eletropaulo, concessionária de energia elétrica que atua no Estado de São Paulo. Ela, então, decidiu recorrer à Justiça, por acreditar que a situação a deixou vulnerável a fraudes e importunações.

Em primeira instância, a ação foi julgada improcedente. A consumidora, então, decidiu recorrer. A 27ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo entendeu que o vazamento de seus dados pessoais configura a falha na prestação de serviços.

Com isso, a Eletropaulo foi condenada a indenizá-la por dano moral. O relator, desembargador Campos Petroni, ressalta que a empresa não cuidou da privacidade de informações sensíveis da cliente. "Foram vazados dados que apenas a própria ré deveria ter posse", afirma.

Concessionária é responsável pela segurança, destaca decisão

Petroni destaca que a consumidora está mais suscetível a golpes, já que é mais vulnerável aos 80 anos. Ele cita o artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor (CDC), que diz que o “fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços”.

De forma geral, o relator avalia que, por não ter tido zelo com os dados dos consumidores, a Eletropaulo prestou um serviço defeituoso. Por isso, tem responsabilidade pelos prejuízos em potencial a que a cliente foi exposta. "É dever da concessionária adotar mecanismos de segurança que se voltem à proteção de seus clientes, como é o caso da guarda das informações sigilosas confiadas", aponta.

Para Petroni, por não adotar medidas adequadas e efetivas para oferecer segurança aos dados da cliente, a Eletropaulo deve indenizá-la. O valor foi fixado em R$ 5 mil.

Posicionamento da Enel

A reportagem do Canaltech entrou em contato com a Enel, que hoje é proprietária da Eletropaulo, para compreender o posicionamento da empresa nesse caso. Veja, a seguir, a resposta da concessionária.

A Enel Distribuição São Paulo esclarece que segue rigorosos padrões globais de segurança cibernética e segurança da informação, baseados nas melhores práticas de mercado, e tem trabalhado continuamente para garantir a segurança de seus sistemas. Com a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), o compromisso com o tema foi reforçado em toda a organização, e a empresa vem ministrando treinamentos específicos a todos os seus colaboradores sobre a aplicação da nova lei.

Sobre incidente ocorrido em novembro do ano passado, a Enel Distribuição São Paulo reforça que, a partir do momento que tomou conhecimento do incidente envolvendo os dados de cerca de 4% da base de clientes, desabilitou imediatamente o acesso a este banco de dados e cumpriu todos os procedimentos previstos na LGPD, prestando os esclarecimentos às autoridades competentes, em linha com o seu plano de resposta a incidentes.

Todos os clientes afetados, localizados na cidade de Osasco, foram comunicados sobre o incidente direta e individualmente por e-mail ou carta registrada, o que foi reforçado posteriormente com o envio de SMS e por meio da conta de luz para aqueles que não receberam a comunicação inicial, seguindo o compromisso de transparência da companhia e em linha com a legislação vigente.

A Enel Distribuição São Paulo não comenta casos judiciais em curso e esclarece que, contra essa decisão, irá exercer seu direito de recorrer às instâncias superiores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos