Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.714,23
    +785,75 (+1,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Eletrobras tem propostas de bancos para privatização: Fontes

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A Eletrobras recebeu proposta de 14 bancos para coordenar o que pode ser uma das maiores ofertas de ações de uma empresa brasileira, de cerca de R$ 103 bilhões, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

Most Read from Bloomberg

A ideia é escolher quatro coordenadores globais e mais um banco que vai focar na distribuição para o varejo, disseram as pessoas, que pediram para não serem identificadas, pois as conversas não são públicas. A boutique de banco de investimento Laplace Finanças foi contratada como assessora da Eletrobras na transação, na qual o governo brasileiro pretende vender seu controle da empresa no mercado.

O plano é fazer uma primeira oferta de R$ 23 bilhões em novas ações com direito a voto a serem emitidas pela companhia em um aumento de capital provavelmente no início do ano que vem, segundo o BNDES. O governo não compraria ações e teria sua participação diluída.

Ofertas subsequentes seriam realizadas de ações já detidas pelo governo até que a sua fatia caísse para 45%, o que poderá acrescentar um volume de mais R$ 80 bilhões à transação. Hoje o governo, incluindo o BNDES, tem uma fatia de 61% na empresa.

No modelo desenhado, o governo ficaria com uma “golden share”, o que lhe daria direito de veto. A operação ainda precisa ser aprovada pelo Tribunal de Contas da União, ou TCU.

A Laplace não quis comentar. A Eletrobras disse em comunicado na sexta-feira que está “em fase de seleção do sindicato de bancos que ficará responsável pela estruturação da operação de follow on e de distribuição do volume de ações a ser emitido pela companhia.”

A transação foi aprovada nesta semana no Conselho do Programa de Parcerias de Investimento e segue em frente, apesar da crise política que pegou fogo, disseram as pessoas. O governo vai escolher um bom momento de mercado para vender, segundo as pessoas.

(Atualiza com a posição da Eletrobras no sexto parágrafo)

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos