Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,24
    -0,25 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.869,30
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    43.149,25
    -555,69 (-1,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.206,81
    -46,33 (-3,70%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.201,50
    -10,50 (-0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4310
    +0,0211 (+0,33%)
     

Eletrobras perdeu R$ 351,6 bi em 18 anos por ser estatal, diz secretário

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
The logo for Eletrobras, a Brazilian electric utilities company, is displayed on a screen on the floor at the New York Stock Exchange (NYSE) in New York, U.S., April 9, 2019. REUTERS/Brendan McDermid
Com valor teoricamente perdido ao manter a Eletrobras como estatal, dava para pagar oito novas rodadas do auxílio emergencial (Brendan McDermid/Reuters)
  • Eletrobras perdeu R$ 351,6 bilhões por não ter sido desestatizada

  • Cálculo foi feito por um dos secretários do Ministério da Economia

  • Com valor, dava para pagar oito rodadas do auxílio emergencial

A Eletrobras perdeu R$ 351,6 bilhões no últimos 18 anos por ter sido mantida como uma estatal, segundo Diogo Marc Cord, secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia. A declaração foi dada nesta sexta-feira (9), dia em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) um decreto que inclui a Eletrobras no PND (Plano Nacional de Desestatização). As informações são do Estadão.

Leia também:

O valor ao qual Mac Cord chegou é oito vezes maior que o orçamento para pagar a nova rodada do auxílio emergencial (de R$ 44 bilhões) . O secretário, que defende a privatização da empresa, conta que fez as contas para rebater argumentos de quem se opõe à desestatização.

O cálculo

Para chegar aos números, ele calculou a diferença entre o patrimônio líquido da Eletrobras entre os anos de 2002 e 2020, tirou desse valor os dividendos pagos e somou os aportes feitos durante os 18 anos. Os valores foram atualizados pela taxa básica de juros, a Selic. 

Segundo Mac Cord, “mesmo considerando a distribuição de lucros, os acionistas hoje estariam R$ 351,6 bilhões mais ricos”. 

Além disso, ele diz que não existem dúvidas de que manter a Eletrobras como uma estatal trouxe prejuízo ao contribuinte. "Temos que pensar como gestores. Independente de serem receitas financeiras ou primárias, o cidadão saiu perdendo", afirmou.