Mercado abrirá em 8 h 44 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,91
    +0,53 (+0,84%)
     
  • OURO

    1.772,30
    +1,70 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    54.981,43
    -1.825,77 (-3,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.236,37
    -62,58 (-4,82%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.105,73
    -0,42 (-0,00%)
     
  • NIKKEI

    29.124,57
    -560,80 (-1,89%)
     
  • NASDAQ

    13.916,00
    +18,75 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6897
    +0,0140 (+0,21%)
     

Eletrobras marca para 27 de abril assembleia para eleger conselho mirando novo CEO

·1 minuto de leitura
Logo da Eletrobras no Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - A Eletrobras convocou uma assembleia geral ordinária de acionistas para 27 de abril, na qual deverão ser eleitos os membros do conselho de administração da companhia, em movimento que prepara também a nomeação de um novo presidente para a estatal.

A companhia disse que a assembleia vai também deliberar sobre a proposta para distribuição de dividendos referentes a 2020 e sobre a composição do conselho fiscal, bem como sobre a remuneração de seus executivos.

A convocação vem após o governo federal ter indicado o atual secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Rodrigo Limp, para assumir uma vaga no conselho e a presidência da Eletrobras.

Ele substituirá Elvira Presta, que está como CEO interina desde a renúncia do ex-presidente Wilson Ferreira, que deixou a companhia para assumir o comando da BR Distribuidora.

Um dos conselheiros da Eletrobras indicados pelo governo, Mauro Cunha, decidiu deixar o cargo e pediu para não ser reconduzido na noite de quarta-feira, por discordâncias quanto à indicação de Limp.

Em carta, Cunha disse que Limp não foi aprovado por uma empresa contratada pela Eletrobras para assessorar o processo de escolha de um novo CEO, o que segundo ele "desviou do processo sucessório com o qual este conselho se comprometeu".

(Por Luciano Costa; edição Paula Arend Laier)