Mercado abrirá em 4 h 33 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,22
    +0,32 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.835,60
    +4,30 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    58.338,77
    +279,46 (+0,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.554,85
    +119,07 (+8,29%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.141,34
    +11,63 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.677,25
    -32,50 (-0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Eletrobras diz que SEC pediu informação em investigação sobre empréstimo compulsório

·2 minuto de leitura
Logotipo da Eletrobras visto em instalações da empresa no Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - A Eletrobras disse nesta sexta-feira que recebeu uma solicitação de informações da reguladora do mercado de capitais norte-americano, SEC, devido a uma investigação em andamento "sobre empréstimo compulsório e litígios correlatos" da estatal.

"A companhia está atualmente no processo de coleta da documentação a fim de responder a este pedido de informações e irá cooperar totalmente com a investigação", afirmou a elétrica, em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários.

A Eletrobras disse que recebeu o pedido da SEC em 20 de abril, mas não forneceu mais detalhes.

Criado pelo governo brasileiro nos anos 60, o empréstimo compulsório foi uma cobrança junto a consumidores industriais que visou financiar a expansão do sistema elétrico, com promessa de posterior devolução.

Nos anos 80, o prazo para devolução dos recursos foi prorrogado e o governo definiu que a Eletrobras poderia antecipar a quitação convertendo créditos do empréstimo em ações.

A operação acabou rendendo uma série de dores de cabeça para a Eletrobras, que décadas depois ainda lida com ações judiciais e cobranças referentes ao tema, que também gera frequentes obrigações de provisão de recursos.

As disputas sobre o compulsório chegaram a levar alguns investidores estrangeiros a tentar mover uma ação coletiva contra a empresa brasileira, mas uma ação judicial relacionada ao tema foi rejeitada por um juiz em Nova York em fevereiro.

FORMULÁRIO 20F

A Eletrobras também disse nesta sexta-feira, em comunicado em separado, que atrasará o arquivamento de seu formulário 20F junto à SEC nos Estados Unidos, antes previsto para 30 de abril.

"O adiamento se deu em função da necessidade da companhia revisar suas demonstrações financeiras de 2019 e 2018 para refletir os cálculos atuariais relativos ao seu plano de aposentadoria", afirmou.

A estatal acrescentou que "não acredita que os ajustes sejam relavantes".

O prazo para entrega do 20F foi prorrogado para 15 de maio, acrescentou a empresa.

(Por Luciano Costa)