Mercado fechará em 1 h 30 min
  • BOVESPA

    119.295,28
    -269,16 (-0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.916,15
    +516,35 (+1,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,74
    -0,89 (-1,36%)
     
  • OURO

    1.813,60
    +29,30 (+1,64%)
     
  • BTC-USD

    56.834,73
    -464,55 (-0,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.474,73
    +3,31 (+0,23%)
     
  • S&P500

    4.171,04
    +3,45 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    34.346,18
    +115,84 (+0,34%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.331,37
    +518,77 (+1,80%)
     
  • NASDAQ

    13.496,25
    +5,25 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3758
    -0,0511 (-0,80%)
     

Eletrobras informa renúncia do conselheiro Wilson Ferreira, ex-CEO

·2 minuto de leitura
Wilson Ferreira Jr., ex-presidente da Eletrobras e novo CEO da BR Distribuidora

SÃO PAULO (Reuters) - A Eletrobras informou que o conselheiro de administração Wilson Ferreira Jr., que atuou antes por mais de quatro anos como presidente da companhia, decidiu renunciar nesta sexta-feira ao cargo no colegiado.

O anúncio vem pouco após Ferreira ter assumido a presidência da BR Distribuidora, empresa de combustíveis que tem a Petrobras como acionista.

A Eletrobras disse que Ferreira tinha mandato no conselho até o final de abril e que a saída deve-se "principalmente ao volume de trabalho simultâneo" enfrentado por ele com a acumulação dos cargos.

Ferreira, que assumiu a estatal ainda na administração do ex-presidente Michel Temer, em junho de 2016, foi convidado a continuar no cargo no governo Bolsonaro, com a missão de levar adiante planos de privatização da companhia.

Após uma gestão elogiada por analistas de mercado, ele anunciou em 25 de janeiro que deixaria o cargo devido a um convite para a presidência da BR Distribuidora.

Em teleconferência com investidores, Ferreira disse depois que tomou a decisão por ter sentido falta de "tração" no processo de desestatização da companhia.

Menos de um mês após o anúncio da saída do CEO, o governo do presidente Jair Bolsonaro decidiu publicar uma medida provisória propondo a privatização, em substituição a um projeto de lei que não havia avançado no Congresso.

Mais recentemente, no final de março, Bolsonaro confirmou a indicação do secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Rodrigo Limp, para assumir a presidência da Eletrobras.

Assim como na Petrobras, o estatuto da Eletrobras exige que o presidente da companhia seja escolhido entre seus conselheiros.

Assim, Limp deverá ser antes eleito para o conselho da companhia para depois ser nomeado como CEO.

A estatal convocou uma assembleia para 27 de abril para eleição dos membros do colegiado.

(Por Luciano Costa)