Mercado fechará em 1 h 22 min

Eleitores dos EUA se dividem entre danças e armas em protestos em centros de contagem de votos

Por Jarrett Renshaw e Michael Martina
·2 minuto de leitura

Por Jarrett Renshaw e Michael Martina

FILADÉLFIA (Reuters) - Apoiadores de Joe Biden dançavam na rua do lado de fora de um centro de contagem de votos na Filadélfia, nesta sexta-feira, enquanto a apuração mostrava que o ex-vice-presidente democrata pode em breve ser declarado vencedor das eleições presidenciais dos Estados Unidos.

Em Detroit, várias centenas de apoiadores do presidente Donald Trump, alguns visivelmente armados com pistolas, entoavam gritos de "Nós vencemos!" perto de um centro de contagem, embora pareça cada vez mais improvável que isso se confirme.

A Filadélfia parecia celebrar sua vez de ser o centro das atenções do país, mesmo que isso tenha sido conquistado pela relativa lentidão na contagem de votos como a maior cidade do Estado da Pensilvânia, que está muito acirrado.

Moradores da Filadélfia desfilavam pelas câmeras de canais de notícias tocando violinos e trombones ou vestidos com fantasias com temas eleitorais.

O professor Sean Truppo, de 37 anos, disse que disparou fogos de artifício ao acordar com a notícia de que Biden havia ultrapassado Trump na contagem do Estado, antes de colocar sua filha de 4 anos em um carrinho para se juntar à crescente multidão perto do Centro de Convenções da Filadélfia.

"Minha filha nasceu sob Trump e eu queria que ela testemunhasse o fim de Trump", afirmou.

Biden tem uma vantagem de 253 a 214 na votação do Colégio Eleitoral que determina o vencedor da eleição presidencial dos EUA, de acordo com a Edison Research. Ganhar os 20 votos da Pensilvânia colocaria o ex-vice-presidente acima dos 270 que ele precisa para garantir a Presidência.

Alguns apoiadores do republicano Trump, seguindo a deixa do próprio presidente, insistiram que deve haver algo errado com qualquer contagem que mostre Biden vencendo, e levaram fuzis e revólveres para atos em Detroit e Phoenix, no Arizona.

((Tradução Redação Rio de Janeiro; 55 21 2223-7128))

REUTERS PF