Mercado fechado

Eleições nos EUA: Biden vence em Michigan, soma 264 votos e fica a um estado da maioria no Colégio Eleitoral

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
DETROIT, MI - NOVEMBER 04: Election workers and Election observers and challengers at the Detroit Department of Elections Central Counting Board Voting at TCF Center, Wednesday, Nov. 4, 2020 in Detroit, MI. With the surge in vote by mail/absentee ballots, analysts cautioned it could take days to count all the ballots, leading some states to initially look like victories for President Trump only to later shift towards democratic Presidential candidate Joe Biden.  (Kent Nishimura / Los Angeles Times via Getty Images)
Centro de contagem de votos em Detroit, Michigan, um dos principais estados das eleições americanas (Kent Nishimura / Los Angeles Times via Getty Images)

O candidato democrata Joe Biden venceu no estado de Michigan, na noite desta quarta-feira (4), acrescentando 16 cadeiras do Colégio Eleitoral para sua candidatura à presidência dos Estados Unidos.

Com as vitórias recentes em Wisconsin e Michigan, Biden vai a 264 votos contra 214 de Donald Trump e está a um estado de distância de ser o próximo presidente dos Estados Unidos.

Acompanhe aqui a apuração em tempo real das eleições dos EUA

Ele está na frente nas projeções em Nevada, e atrás no Alasca, na Geórgia, na Carolina do Norte e na Pensilvânia.

Biden conquistou 49,8% dos mais de 5 milhões de votos no estado, contra 48,6%. Cerca de 97% das urnas foram apuradas, e caso a vantagem termine em menos de 1%, o presidente Donald Trump tem direito de pedir a recontagem imediata dos votos.

Supporters of US President Donald Trump bang on the glass and chant slogans outside the room where absentee ballots for the 2020 general election are being counted at TCF Center on November 4, 2020 in Detroit, Michigan. - Democratic presidential challenger Joe Biden on November 4 neared the magic number of 270 electoral votes needed to win the White House with several battleground states still in play, as incumbent President Donald Trump challenged the vote count. (Photo by JEFF KOWALSKY / AFP) (Photo by JEFF KOWALSKY/AFP via Getty Images)
Supporters of US President Donald Trump bang on the glass and chant slogans outside the room where absentee ballots for the 2020 general election are being counted at TCF Center on November 4, 2020 in Detroit, Michigan. - Democratic presidential challenger Joe Biden on November 4 neared the magic number of 270 electoral votes needed to win the White House with several battleground states still in play, as incumbent President Donald Trump challenged the vote count. (Photo by JEFF KOWALSKY / AFP) (Photo by JEFF KOWALSKY/AFP via Getty Images)

O anúncio ocorreu enquanto Biden fazia um pronunciamento, no qual evitou declarar vitória antecipada, mas falou à nação como um todo e pediu união neste momento de divisão política e ideológica.

TRUMP SE DIZ VENCEDOR EM 4 ESTADOS-CHAVE

Em seu perfil no Twitter, Trump afirmou que sua campanha está se considerando vitoriosa nos estados da Pensilvânia, Geórgia e Carolina do Norte, que ainda estão com a disputa em aberto.

No momento, segundo projeção do New York Times, Trump ganha por 5,1 pontos percentuais na Pensilvânia. Já na Geórgia e na Carolina do Norte a disputa está mais acirrada: Trump vence por 1,7 ponto e 1,4 ponto percentual, respectivamente.

Leia também

O atual presidente dos EUA afirmou nesta tarde na rede social que estava ganhando com folga na Pensilvânia, mas que o estado anunciou que ainda há "milhões de votos para serem contados" e que "não permite permite observadores legais" nos locais de apuração.

Ainda restam 16% dos votos para serem apurados no estado, boa parte enviados pelo correio. Na Geórgia e na Carolina do Norte, a apuração já chegou a 94%e 95% dos votos.

Apesar disso, Trump diz em sua postagem que tem uma grande vantagem nesses três estados.

Mesmo com o reconhecimento da vitória de Biden em Michigan, o candidato a reeleição afirmou que também se considera vitorioso no estado "se, de fato, houve um grande número de votos descartados secretamente".

A campanha de Trump entrou com uma ação judicial em Michigan para tentar suspender a contagem até que pudessem checar a abertura e o processamento dos votos que chegaram pelo correio.