Mercado fechará em 6 h 59 min

#Verificamos: É falso que ‘ataque hacker’ ao TSE revelou insegurança ou fraude nas urnas

Agência Lupa
·2 minuto de leitura
É falso que ‘ataque hacker’ ao TSE revelou insegurança ou fraude nas urnas - Foto: Ascom/TSE
É falso que ‘ataque hacker’ ao TSE revelou insegurança ou fraude nas urnas - Foto: Ascom/TSE

por JULIANA ALMIRANTE

Circula pela redes sociais uma informação de que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sofreu um ataque hacker hoje (15), o que “comprovaria” insegurança e fraude nas urnas. Por WhatsApp, leitores da Lupa sugeriram que este conteúdo fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação.

“Após negar ataque, TSE tem bancos de dados expostos por hackers em dia de eleição.
TSE acaba de ser hackeado. O Tribunal negou o ataque e aí os hackers expuseram o banco de dados em dia de eleição. Pode confiar nas urnas eletrônicas, viu amiguinho. Voto impresso já!”
Texto em imagem que circula no WhatsApp

É falso que ‘ataque hacker’ ao TSE revelou insegurança ou fraude nas urnas - Foto: Ascom/TSE
É falso que ‘ataque hacker’ ao TSE revelou insegurança ou fraude nas urnas - Foto: Ascom/TSE

FALSO

A informação verificada pela Lupa é falsa. Não há evidências de que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tenha sofrido um ataque hacker bem sucedido com vazamentos de dados hoje (15). O que houve foi uma tentativa de ataque com acessos em massa, para derrubada do sistema do TSE — o que não envolve sequestrar dados, apenas sobrecarregar o sistema. Essa ação foi neutralizada. Além disso, durante a votação, as urnas não ficam em rede, e, portanto, não seriam afetadas mesmo que o ataque fosse bem sucedido.

Paralelamente, um banco de dados antigo do TSE foi divulgado por um perfil anônimo, identificado como CyberTeam, no Facebook e no Twitter. “15/11/2020 dia de eleição, e também um dia de vazamento do banco de dados do TSE”, diz a publicação. Em seguida, a mesma página publicou que o tráfego do suposto banco de dados vazado teria causado instabilidade em plataformas do Tribunal.

Em coletiva de imprensa, o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, negou que esse vazamento tenha ocorrido hoje. Ele disse que o vazamento era apurado e afirmou que eventuais ataques cibernéticos não causam risco à votação, já que as urnas não funcionam em rede. Posteriormente, o TSE confirmou que o vazamento foi anterior a 26 de outubro, mas não precisou a data em que o ataque ocorreu. Segundo o portal TecMundo, os dados são de entre 2001 e 2010, mas a Justiça Eleitoral não confirma essa informação.

Além disso, Barroso reforçou que as urnas não operam na rede que foi atacada de forma mal sucedida neste domingo. “Sempre lembrando que as urnas já estão inseminadas e guardadas e estão todas elas fora das redes. Então eventuais ataques cibernéticos não tem condão de afetar o processo de votação, porque as urnas não funcionam em rede. Portanto, não há esse risco”, afirmou.

Esta‌ ‌verificação ‌foi sugerida por leitores através do WhatsApp da Lupa. Caso tenha alguma sugestão de verificação, entre em contato conosco pelo número +55 21 99193-3751.

Editado por: Chico Marés