Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.392,18
    +609,88 (+1,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Eleições regionais impõem derrota à direita de Piñera no Chile

·2 minuto de leitura

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - O segundo turno das eleições regionais no Chile marcou uma dura derrota para a coalizão de direita Chile Vamos, do presidente Sebastián Piñera. Dos 13 cargos em disputa, eles venceram apenas um -Luciano Rivas, na Araucania. Os demais ficaram com partidos de esquerda ou centro-esquerda.

A votação, realizada enquanto o país vive um duro momento da pandemia e enfrenta medidas rígidas de confinamento, com Santiago e outras grandes cidades apenas com atividades essenciais liberadas, teve participação muito baixa -apenas 19,7% do padrão eleitoral.

Desde que o voto deixou de ser obrigatório no Chile, em 2012, nenhuma eleição superou os 50% de comparecimento, exceto o plebiscito pela nova Constituição, em outubro do ano passado, quando pouco mais da metade 51% dos eleitores foram às urnas.

A realização do plebiscito, em que 78% dos votantes optaram por substituir a atual Carta, herança do ditador Augusto Pinochet, foi uma resposta aos intensos protestos que começaram no Chile no fim de 2019. A eleição para os integrantes da Assembleia Constituinte, em maio deste ano, não refletiu, porém, o furor das ruas, com um baixo índice de comparecimento (42,5%).

Ainda assim, a composição da Constituinte foi um recado ao governo de Piñera e aos partidos tradicionais. Os candidatos independentes foram os mais votados e conquistaram 65 das 155 cadeiras. A aliança governista, que concorreu em uma lista única, conseguiu apenas 37 das 155 cadeiras, e a esquerda, dividida em duas relações, conquistou 53 assentos.

No pleito regional deste domingo, a principal disputa se deu na área metropolitana de Santiago, onde vive um terço da população. Ali venceu Claudio Orrego, da Democracia Cristã, que derrotou a candidata da Frente Ampla, Karina Oliva. No Chile, a Democracia Cristã é um partido de centro-esquerda e progressista, que foi protagonista na Concertação, a aliança que governou o país nos 20 anos que se seguiram ao regime militar (1973-1990).

Em seu discurso da vitória, Orrego disse que fará "um compromisso formal de trabalhar com todos os prefeitos, sem importar a cor política que representam. Quero pedir que melhoremos nossa convivência política e mudemos de linguagem, para cuidar de nossa democracia".

O posto de governador regional é uma novidade no Chile, que até hoje não existia. A maioria das decisões eram tomadas a partir de Santiago. Agora, haverá mais descentralização do poder.

O Chile entra agora em uma corrida pelas eleições nacionais. As primárias ocorrem já em 18 de julho, enquanto a presidencial e de renovação do Congresso, em 21 de novembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos