Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.496,21
    -2.316,66 (-2,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.463,26
    -266,54 (-0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,91
    -0,59 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.760,30
    -10,90 (-0,62%)
     
  • BTC-USD

    21.009,53
    -1.968,44 (-8,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    504,88
    -36,72 (-6,78%)
     
  • S&P500

    4.228,48
    -55,26 (-1,29%)
     
  • DOW JONES

    33.706,74
    -292,30 (-0,86%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.250,00
    -273,25 (-2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1885
    -0,0253 (-0,49%)
     

Eleição terá mais peso para economia brasileira com cenário externo desfavorável, diz Citi

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O resultado da eleição presidencial de 2022 ganhará peso em um ano em que a economia global não irá ajudar no crescimento dos países emergentes. Nesse sentido, a questão fiscal será o ponto crítico para avaliação de cada candidatura no Brasil.

A afirmação é do economista-chefe do Citi Brasil, Leonardo Porto, que apresentou nesta sexta-feira (17) as perspectivas da instituição financeira para o próximo ano.

Ele disse que uma percepção do mercado financeiro de que o resultado das eleições poderá estar selado a partir de abril e maio levaria a uma antecipação dos efeitos dessa definição sobre a economia.

Porto disse achar pouco provável uma definição do quadro eleitoral tão antecipada, mas afirmou que uma incerteza até o final do segundo turno adia, por exemplo, os efeitos sobre o preço de ativos da vitória de um candidato comprometido com a responsabilidade fiscal.

Pesquisa do Datafolha realizada de 13 a 16 de dezembro aponta que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) venceria todos seus adversários num eventual segundo turno se a eleição presidencial de 2022 fosse hoje.

"O que importa para o mercado não é quem vai ou quem não vai [ganhar], mas sim o discurso. Especialmente em relação à política fiscal. Esse é um tema crítico", afirmou.

"O mercado vai olhar basicamente dois fatores. O que a gente chama de 'pay off', o valor atribuído a cada um dos candidatos, à qualidade da sua política econômica do ponto de vista da sustentabilidade da dívida pública. E a probabilidade de ganho ou de derrota desse candidato."

Segundo o economista, se um candidato abraçar a causa da responsabilidade fiscal, seja ele Lula, Jair Bolsonaro, Sérgio Moro ou qualquer outro, e for ganhando probabilidade de vitória ao longo das pesquisas eleitorais, isso ajuda no preço dos ativos. Entre esses preços, o câmbio, projetado pelo Citi em R$ 5,60 no final de 2022.

Ele afirmou ter muitas dúvidas sobre a plataforma de cada candidato. Citou a postura do ex-presidente Lula de manter uma política fiscal mais austera em 2003 e, em contraponto, o governo caminhando no sentido contrário na gestão Dilma Rousseff. Disse que o mesmo raciocínio pode ser aplicado ao atual presidente, que manteve um discurso na campanha de 2018, mas tem atualmente outra postura.

Conforme divulgado na semana passada, o Citi revisou as estimativas para a expansão do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil neste ano de 4,7% para 4,5% e em 2022 de 0,6% para 0,3%.

Segundo Leonardo Porto, isso contempla uma economia praticamente estagnada em todos os trimestres. Exceto no primeiro de 2022, quando a safra de soja deve ajudar no resultado da agropecuária, e no último do próximo ano, quando se espera alguma expansão.

"A economia brasileira está, na melhor das hipóteses, estagnada neste momento, se é que não está em recessão", afirmou.

Para ele, a fraqueza da atividade pode levar o Banco Central a rever a sinalização de que irá promover um novo aumento de juros de 1,5 ponto percentual no início do próximo ano. O Citi projeta que a taxa básica passaria dos atuais 9,25% para 11% ao ano até março, número abaixo dos quase 12% esperados pelo mercado.

A instituição também projeta que a inflação deve recuar de 10,1% no final deste ano para 4,7% no próximo.

Ele disse que os fatores positivos para a inflação são uma melhora na questão energética no Brasil e o efeito da desaceleração da economia global sobre os preços de commodities, por exemplo, do petróleo. Também é esperada uma normalização dos gargalos da cadeia produtiva no segundo semestre.

Por outro lado, disse que os pontos de preocupação vêm da inércia inflacionária e da capacidade de o Banco Central conseguir ancorar as expectativas de inflação, destacando o comprometimento da instituição sinalizado até o momento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos