Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.740,68
    -1.327,87 (-1,22%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.139,73
    +413,77 (+0,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,71
    -0,30 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.800,80
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    17.215,25
    +415,53 (+2,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,75
    +11,07 (+2,80%)
     
  • S&P500

    3.953,26
    +19,34 (+0,49%)
     
  • DOW JONES

    33.679,78
    +81,86 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +101,00 (+0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4993
    +0,0329 (+0,60%)
     

Eleição não interfere em planos de petroleiras globais no Brasil, dizem executivos

Tanques de combustíveis

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Executivos de grandes petroleiras internacionais que atuam no Brasil não estão preocupados com o resultado das eleições presidenciais no país e ressaltaram que independentemente do novo mandatário pretendem manter seus portfólios de investimentos na nação sul-americana.

No próximo domingo, os brasileiros vão às urnas para a escolha do novo presidente em uma disputa polarizada entre o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O CEO da Shell no Brasil, Cristiano Pinto da Costa, destacou durante a feira Rio Oil & Gas que a empresa está há mais de um século no Brasil e tem planos de longo prazo.

"A Shell investe no país e está presente há mais de cem anos, e nossa indústria é de longo prazo, e a gente olha para investimentos com ciclos muito mais longos", disse ele a jornalistas.

"Nesses últimos anos houve diversos governos no país e a gente trabalhou com eles. A gente não toma decisões no que está para acontecer nas próximas semanas e anos", acrescentou ele.

O executivo disse ainda ser favorável ao modelo de concessão para a produção e exploração de óleo e gás no país no pré-sal, em vez do atual, de partilha.

A diretora global de Upstream da Shell, Zoe Vujnovich, reforçou que a empresa está comprometida com o Brasil.

"Estamos aqui há tanto tempo e conseguimos trabalhar com todas as posições políticas. O que se espera sempre é que sejam criadas oportunidades para produzir e gerar impostos. Isso é fundamental... qualquer que seja o partido que assuma, saberá o papel importante do setor de óleo e gás", afirmou ela.

A Shell produz atualmente cerca de 400 mil barris/dia em óleo equivalente e tem projetos na área de renováveis e outras fontes de energia no Brasil.

A companhia é parceira da Cosan na joint venture Raízen, gigante do setor de etanol, açúcar e combustíveis.

Já a portuguesa Galp pretende investir 5 bilhões de dólares no país nos próximos anos em óleo e gás, energia e renováveis, reiterou o CEO da empresa, Andy Brown.

Ele destacou a relevância do Brasil para os negócios da empresa.

"Estamos aqui há anos e realmente nós acreditamos na estabilidade no Brasil e no ambiente fiscal e regulatório. O Brasil é um grande atrativo de investimentos para preservar o clima e transição energética", afirmou Brown.

"A Galp acredita no Brasil."