Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.761,52
    -2.071,20 (-4,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Eleição de 2022 será muito polarizada e deve criar volatilidade, diz presidente do BC

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASILIA, DF,  01.10.2020 - O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, posa para fotos na sala do COPOM na sede do BC. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASILIA, DF, 01.10.2020 - O presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto, posa para fotos na sala do COPOM na sede do BC. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Ao falar dos desafios para controlar a inflação, especialmente de 2022, o presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, afirmou que as eleições presidenciais serão muito polarizadas e devem gerar volatilidade na economia.

"Em termos de locais, a eleição [de 2022] é uma parte muito importante [no desafio], vai ser muito polarizada. Isso tem um impacto e cria volatilidade", afirmou em evento virtual promovido pelo Credit Suisse nesta quarta-feira (8).

Para Campos Neto, a crise hídrica também deve elevar custos e dificultar a atuação da autoridade monetária.

"Mais recentemente, tivemos o choque [nos preços] da eletricidade. Vimos muitas elevações no sistema de bandeiras [tarifárias]", disse. "A crise está em um novo nível e isso está afetando muito a forma como as pessoas estão precificando a inflação. Mas é mais fácil medir esse efeito na inflação que no crescimento [econômico]", ponderou.

Em relação à situação fiscal do país, Campos Neto voltou a destacar que os números foram mais positivos que o esperado ao longo deste ano, mas disse que as eleições tem gerado muita incerteza.

"Muito da incerteza no presente vem do fato de que teremos eleições, então o mercado associa mudanças e reformas estruturais à disposição de fazer um programa [social] melhor, um Bolsa Família melhor, um auxílio emergencial melhor e associa isso ao processo eleitoral. Isso cria algum ruído", ressaltou.

O presidente do BC voltou a defender que explicações sobre como seria o novo programa social e como será financiado reduziria o ruído fiscal.

"Ainda temos muito debate sobre como isso será feito", afirmou.

Campos Neto reiterou ainda a importância das reformas econômicas.

"As reformas são muito importantes e ainda temos muitas a fazer, estamos indo para o ano de eleição e acho que ainda temos uma janela [para aprová-las no Congresso]", avaliou.

Ele falou ainda sobre a dinâmica da inflação atual. "Provavelmente o mais importante para nós é a dinâmica da inflação, como esses diferentes choques [de preços] estão gerando incertezas", colocou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos