Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,02
    -0,13 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.736,20
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    62.642,57
    -546,56 (-0,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.361,40
    -14,37 (-1,04%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.939,58
    +49,09 (+0,71%)
     
  • HANG SENG

    28.701,02
    -199,81 (-0,69%)
     
  • NIKKEI

    29.681,39
    +60,40 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.806,25
    +7,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7743
    +0,0014 (+0,02%)
     

Elétrica gaúcha CEEE-D pode perder concessão se não for privatizada, alerta Aneel

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A estatal CEEE-D, controlada pelo governo do Rio Grande do Sul, será alvo de processo da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que poderá resultar na extinção de sua concessão para a distribuição de energia no Estado.

A decisão veio em reunião de diretoria do regulador nesta terça-feira, após a empresa ter descumprido por dois anos seguidos exigências mínimas quanto à qualidade do serviço e à gestão econômica e financeira de suas operações.

Mas o processo, que ainda será aberto pela Aneel, pode acabar arquivado se o governo estadual concretizar planos de privatização da unidade de distribuição da companhia.

Um leilão para a venda da CEEE Distribuição (CEEE-D) estava agendado para 31 de março, antes de ser suspenso por liminar depois de ação movida por sindicatos.

O diretor-geral da Aneel, André Pepitone, ressaltou que a avaliação da agência sobre uma possível revogação da concessão da CEEE-D "em nada atrapalha o processo licitatório" de privatização da empresa.

"É justamente o contrário, é um sinal claro para o acionista (governo do Rio Grande do Sul) de que ele não tem condição de gerir a condição", afirmou ele durante reunião de diretoria.

A regulamentação do setor elétrico prevê que distribuidoras podem ter a concessão revogada pela Aneel se descumprirem exigências regulatórias sobre qualidade e gestão financeira por dois anos consecutivos durante um período de cinco anos.

Nesta terça-feira, a agência apontou o não cumprimento pela CEEE-D de limites para duração e frequência de interrupções no serviço em 2019, bem como de indicadores financeiros.

Procurada, a CEEE não comentou o assunto imediatamente.

A CEB-D, de Brasília, também não cumpriu os índices de qualidade em 2019, mas a empresa acaba de mudar de controle, após ter sido privatizada pelo governo do Distrito Federal em leilão em dezembro, destacaram diretores da Aneel.

A CEB-D acabou arrematada pela Neoenergia, que prometeu neste mês triplicar o nível de investimento da empresa ao assumir sua gestão.

Ao avaliar os indicadores de qualidade das distribuidoras, a Aneel apontou ainda "falta de confiabilidade" em informações da Enel Goiás e da Cemig-D, segundo nota no site da agência.

(Por Luciano Costa)