Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.003,86
    +951,08 (+0,76%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.897,79
    +629,34 (+1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,13
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.797,10
    -2,10 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    37.539,99
    +2.699,05 (+7,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    905,01
    -10,48 (-1,14%)
     
  • S&P500

    4.422,30
    +10,51 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    35.144,31
    +82,76 (+0,24%)
     
  • FTSE

    7.025,43
    -2,15 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    26.192,32
    -1.129,66 (-4,13%)
     
  • NIKKEI

    27.833,29
    +285,29 (+1,04%)
     
  • NASDAQ

    15.117,00
    -0,75 (-0,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1089
    -0,0014 (-0,02%)
     

Egito impõe pena de morte a 12 figuras destacadas da Irmandade Muçulmana

·1 minuto de leitura
Membro da Irmandade Muçulmana durante audiência no Cairo

CAIRO (Reuters) - O maior tribunal civil do Egito manteve nesta segunda-feira as penas de morte de 12 figuras destacadas da Irmandade Muçulmana devido a uma ocupação de 2013 que terminou com as forças de segurança matando centenas de manifestantes, disseram fontes judiciais.

O veredicto, que não permite apelação, significa que os 12 homens podem ser executados com uma aprovação do presidente, Abdel Fattah al-Sisi. Entre eles estão Abdul Rahman Al-Bar, normalmente descrito como o mufti, ou principal estudioso religioso do grupo, Mohamed El-Beltagi, um ex-parlamentar, e Osama Yassin, um ex-ministro.

Muitas figuras da Irmandade Muçulmana foram condenadas à morte em outros casos relacionados com a revolta que se seguiu à deposição militar do então presidente, Mohamed Mursi, um membro da Irmandade Muçulmana, em 2013, mas a Corte de Cassação ordenou novos julgamentos.

A decisão desta segunda-feira diz respeito a um julgamento em massa de centenas de suspeitos acusados de assassinato e incitação à violência durante protestos pró-Irmandade na praça Rabaa Adawiya do Cairo nas semanas posteriores à deposição de Mursi.

Em setembro de 2018, um tribunal criminal egípcio condenou 75 pessoas à morte e impôs penas de prisão a mais de 600 outras. Muitos acusados foram julgados sem estar presentes.

Quarenta e quatro dos condenados à pena capital apelaram à Corte de Cassação. Trinta e um tiveram as penas reduzidas para prisão perpétua, doze não tiveram redução de pena e um último réu, Essam el-Erian, líder veterano da Irmandade, morreu na prisão no Cairo em agosto de 2020. Mursi, o primeiro presidente egípcio eleito democraticamente, também faleceu na prisão em 2019.

(Por Haitham Ahmed)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos