Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.450,57
    -194,91 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Eficácia da vitamina D pode depender do índice de massa corporal

Cientistas descobriram novas evidências de que a vitamina D pode ser metabolizada de maneira diferente em pessoas com um índice de massa corporal (IMC) elevado. Para chegar a essa informação, o grupo analisou os dados de 16.515 participantes de um estudo anterior, concentrado em verificar a relação entre o uso de vitamina D e uma possível redução do risco de câncer, doenças cardíacas ou AVC.

Essa análise dos dados descobriu que a suplementação de vitamina D se correlacionava com efeitos positivos em vários resultados de saúde, mas apenas entre pessoas com IMC abaixo de 25, o que sugere algo diferente acontecendo com o metabolismo da vitamina D em pesos corporais mais altos.

A vitamina D atua no controle da absorção do cálcio e do fósforo pelo organismo. Basicamente, é ela que permite que estes minerais sejam absorvidos pelos ossos, regulando a quantidade de cálcio que circula no sangue, além de ajudar a proteger contra a perda de massa óssea e ajudar os músculos a funcionarem.

Nesse novo estudo, os pesquisadores mediram os níveis de vitamina D total e livre, bem como muitos outros novos biomarcadores de vitamina D, como seus metabólitos, cálcio e hormônio da paratireoide, que ajuda o corpo a utilizar a vitamina D. O grupo viu que a suplementação de vitamina D aumentou a maioria dos biomarcadores associados ao metabolismo da vitamina D nas pessoas, independentemente do peso. No entanto, esses aumentos foram significativamente menores em pessoas com IMC elevado.

“O estudo esclarece por que estamos vendo reduções de 30 a 40% nas mortes por câncer, doenças autoimunes e outros resultados com a suplementação de vitamina D entre aqueles com IMCs mais baixos, mas benefício mínimo naqueles com IMCs mais altos, sugerindo que pode ser possível alcançar benefícios em toda a população com uma dosagem mais personalizada de vitamina D", concluem os autores.

Eficácia da vitamina D pode depender do peso corporal (Imagem: Nestea06/Envato Elements)
Eficácia da vitamina D pode depender do peso corporal (Imagem: Nestea06/Envato Elements)

Benefícios da vitamina D

No último mês de dezembro, um estudo apontou que níveis elevados dessa vitamina no cérebro foram associados a chances 25% a 33% menores de demência e comprometimento cognitivo. A pesquisa ligou a deficiência de vitamina D com condições crônicas de saúde e morte precoce. Além disso, os cientistas descobriram que níveis mais altos da vitamina estavam associados a uma melhor função cognitiva, ou seja: uma memória mais forte.

Antes disso, um artigo concluiu que a vitamina D pode aliviar sintomas de depressão a curto prazo. Nos participantes que já haviam sido diagnosticados com depressão, os suplementos de vitamina D se mostraram mais efetivos do que os placebos no alívio de sintomas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: