Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,08
    -0,55 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.784,50
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    57.153,51
    +2.774,12 (+5,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,69
    +64,38 (+4,58%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    29.140,94
    +328,31 (+1,14%)
     
  • NASDAQ

    13.501,25
    +10,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4259
    -0,0010 (-0,02%)
     

Efeito camaleão: olhar o celular faz com que outras pessoas façam o mesmo

Nathan Vieira
·2 minuto de leitura

Quando tiver a oportunidade, faça o seguinte teste: olhe para as pessoas ao seu redor e certifique-se de que elas não estejam no celular. Pegue então o seu celular e fique mexendo. Em até 30 segundos, as pessoas à sua volta estarão fazendo a mesma coisa. Pelo menos, é isso o que propõe um estudo da Universidade de Pisa, na Itália.

Segundo o estudo, essa resposta rápida e automática provavelmente se deve ao fato de as pessoas se imitarem sem perceber. Os cientistas criaram um termo para isso: efeito camaleão. "Embora se acredite que esse mimetismo tenha evoluído na sociedade para ajudar as pessoas a se relacionarem, imitar o uso do smartphone pode gerar o efeito oposto", reflete a pesquisadora Elisabetta Palagi, envolvida no estudo.

“Temos a necessidade de seguir as normas que nos são impostas pelas pessoas ao nosso redor para combinar nossas ações de forma automática, mas os smartphones podem aumentar o isolamento social por meio de interferência e interrupção de atividades contínuas da vida real", completa Elisabetta. Dito isso, pessoas sem telefones nem conseguem tentar reproduzir o comportamento. “Portanto, essas pessoas podem se sentir especialmente isoladas", supõe a pesquisadora.

Olhar o celular faz com que as pessoas façam o mesmo, segundo estudo feito pela Universidade de Pisa, na Itália (Imagem: DocuSign/Unsplash)
Olhar o celular faz com que as pessoas façam o mesmo, segundo estudo feito pela Universidade de Pisa, na Itália (Imagem: DocuSign/Unsplash)

Palagi já havia investigado o efeito camaleão nas pessoas, que pode incluir expressões faciais, movimentos das mãos, bocejos e até mesmo padrões de fala. Ao notar como as pessoas sempre pareciam pegar seus telefones depois de outras pessoas fazerem o mesmo, o grupo decidiu fazer um estudo observacional.

Para isso, a equipe observou 88 mulheres e 96 homens em 820 situações diferentes em ambientes como parques, restaurantes, transporte público, salas de espera e em jantares. Na prática, os participantes do estudo passaram a mexer em seus celulares por cinco segundos, olhando para a tela ou não. Os pesquisadores descobriram que 50% das pessoas olhavam para o telefone 30 segundos depois, quando o integrante do estudo olhava para a tela, mas apenas 0,5% das pessoas o fizeram quando viram a pessoa mexer no smartphone sem olhar para ele.

O comportamento de imitação não é apenas rápido, mas também automático e subconsciente, segundo a pesquisadora. As taxas de resposta foram as mesmas em todos os grupos que participaram do estudo. “A maioria das pessoas é afetada pelo comportamento de outras pessoas, mesmo sem perceber”, conclui Palagi.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: