Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.162,29
    +1.320,08 (+2,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Educação financeira: 7 dicas para tornar seu negócio mais rentável

·8 min de leitura
Empreendedores de todos os portes devem ter em mente quais são todas as despesas do negócio
Empreendedores de todos os portes devem ter em mente quais são todas as despesas do negócio

Alavancar a rentabilidade do negócio é um dos principais objetivos dos empreendedores. Não existe uma fórmula mágica para que os números cresçam, mas é possível melhorar os lucros seguindo alguns passos.

A InfinitePay – plataforma de tecnologia que atua em meios de pagamento – separou sete dicas fundamentais para melhorar a rentabilidade de seu empreendimento. Confira.

1 – Tenha um plano de negócios
Empreender traz liberdade e pode ser uma excelente solução para a vida profissional. Entretanto, nem tudo são flores. De acordo com o IBGE, seis em cada dez empresas no Brasil fecham em cinco anos de atividade.

Um dos principais motivos para isso é a falta de um norte – o que, em empreendedorismo, é chamado de plano de negócios. Como o nome indica, trata-se de um documento elaborado para traçar um retrato geral do mercado e do posicionamento do serviço ou produto dentro desse contexto.

Nele, devem constar informações básicas, como dados a respeito do que será oferecido, perfil dos principais concorrentes, panorama do setor na região, no País e, até mesmo, internacionalmente. Isso sem contar a criação de uma persona, que represente o público-alvo.

As atitudes que o empreendedor deve tomar, a atual situação financeira da empresa e onde deseja chegar também devem estar no plano de negócios. O mais importante, porém, é definir como chegar lá. Assim, informações como quais são os custos fixos do negócio, bem como os contratos em vigor e como seus produtos ou serviços têm impactado os consumidores, devem estar claras.

Com esse documento em mãos, é possível observar o cenário micro e macro de sua empresa, fazer planos e corrigir a rota, em muitos casos, sem grandes prejuízos. Não é fácil começar – principalmente para quem não tem experiência –, mas há organizações que ajudam iniciantes a montar seu plano de negócios.

Uma delas é o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Vale procurar a unidade mais próxima a você – ou mesmo o apoio via internet. Há muito material gratuito disponível que pode te ajudar antes mesmo de começar.

2 – Use uma ferramenta de gestão financeira

Além de um plano de negócios, é fundamental contar com uma ferramenta online que seja fácil de usar e permita organizar as finanças. Dessa forma, fica mais fácil fazer um gerenciamento completo, tendo visão clara de todos os aspectos financeiros da empresa. Esse comportamento é fundamental para quem deseja obter sucesso.

Atualmente, existem diversas ferramentas digitais que fornecem esses serviços. Com elas, o empreendedor consegue saber ao certo quais são os custos totais da empresa, algo fundamental para manter qualquer operação saudável. Afinal, sem saber o quanto é gasto, há risco de as finanças estarem em prejuízo sem que sequer se perceba até que seja tarde demais.

Empreendedores de todos os portes devem ter em mente quais são todas as despesas do negócio. Uma dica, em especial para as PMEs, é sempre colocar o planejamento na ponta do lápis. Quando se trabalha com maquininhas de cartão, é importante ter consciência do panorama não apenas de recebimentos, mas também do planejamentos para o futuro.

Nesse sentido, as ferramentas digitais podem dar um suporte a mais para garantir a segurança financeira do negócio. A Confere – plataforma a qual os clientes da InfinitePay têm acesso gratuito –, por exemplo, ajuda a saber se as taxas que acordou com a empresa de pagamento são, de fato, o que está sendo descontado – além de ajudar a planejar recebimentos futuros e fazer relatórios dos valores a serem depositados.

É fundamental não abrir mão de realizar um gerenciamento completo e detalhado das suas finanças, independentemente do nicho de atuação. Isso permite construir um presente saudável e um futuro seguro para a empresa, nos quais o lucro poderá ser reinvestido no sucesso do negócio.

3 – Conheça o perfil de seus clientes

Esta dica faz parte do plano de negócios, mas é tão importante que merece um tópico à parte. Com tantas empresas à disposição do consumidor, nunca foi tão relevante apostar em segmentação e customização de ofertas. Esses dois pontos, combinados com uma boa comunicação com o consumidor, são determinantes para aumentar a assertividade da estratégia.

Saber, de fato, quem são seus clientes é essencial não apenas para construir sua imagem, mas também para alavancar as vendas. Isso permite direcionar, de maneira precisa, quais são os melhores produtos e serviços desejados pelo público – fato que, automaticamente, pode aumentar a conversão.

Vale lembrar que a era digital trouxe diversas facilidades para quem deseja conhecer melhor os clientes. Uma ação simples de se fazer, e que traz bons resultados, é usar as redes sociais para identificar os gostos e as necessidades do consumidor.

Para isso, não economize na criatividade e adote todas as ferramentas disponíveis. Uma simples caixa de perguntas ou uma enquete nos Stories do Instagram, por exemplo, podem trazer insights poderosos. Além de saber ao certo qual é o desejo dos consumidores, essa estratégia permite uma aproximação maior com eles, o que sempre é válido.

Outra dica é observar os comentários das suas postagens, para saber quais são as opiniões dos clientes em relação aos produtos. E já que a ideia é usar tudo que as redes sociais oferecem, vale a pena também monitorar os comentários da concorrência, para saber o que o consumidor está buscando.

4 – Facilite ao máximo as condições de pagamento

Por muito tempo, o dinheiro físico foi o meio de pagamento determinante nas dinâmicas de compra e venda. Os tempos, porém, mudaram, e agora os cartões de débito e crédito estão nas carteiras de grande parte dos brasileiros. Por isso, é imprescindível oferecer essa opção de pagamento para os clientes.

Mais do que aceitar diferentes bandeiras de cartão, seu negócio precisa oferecer a possibilidade de parcelar os valores. Dessa forma, o consumidor se sente mais confortável para concretizar a compra e adquirir mais produtos. Ao aumentar o poder de compra do cliente, você amplia também seu ticket médio.

Uma pesquisa do Datafolha, encomendada pela Associação Brasileira de Internet (Abranet), mostrou que 75% dos usuários de cartão de crédito têm o costume de fazer compras de produtos e serviços parcelados. Diante desse número expressivo, não oferecer a máquina de cartão com a opção de parcelamento pode fazer com que sua empresa fature menos.

5 – Escolha soluções financeiras com taxas menores

Vender parcelado é importante para seus clientes comprarem mais, mas lembre-se de se atentar às taxas na hora de oferecer essa facilidade. Além do desconto por transação, quem deseja adiantar o recebimento das parcelas pode ter de pagar até 40% de sua venda em valores de antecipação.

A InfinitePay, com a InfiniteBlack Smart, permite o parcelamento em até 12 vezes no cartão de crédito das principais bandeiras com a menor taxa do mercado, chegando a ser até 80% mais barata.

Assim, o dinheiro do empreendedor rende mais, já que ele pode oferecer parcelamento que cabe no bolso do cliente sem repassar os juros ou perder boa parte do lucro em taxas. Outra vantagem é receber o valor total da venda em apenas um dia útil, mesmo quando a compra é realizada em 12 parcelas.

6 – Prepare-se para vender online

Ter uma loja online se tornou essencial nos tempos atuais. Se antes o e-commerce era um complemento, hoje é o protagonista para quem tem um comércio. A InfinitePay, inclusive, oferece a seus parceiros acesso à Confere Shop, plataforma para quem deseja criar sua loja online grátis.

Nela, dá para montar um e-commerce do zero em poucos minutos. É possível configurá-lo de acordo com o gosto e as necessidade do empreendedor. A loja ainda é totalmente integrada com o sistema de gestão financeira da Confere e com a conta InfinitePay, o que facilita o controle das vendas e o gerenciamento do dinheiro.

Prefere vender pelo WhatsApp, Facebook, Instagram ou outras redes sociais? Então é fundamental ter as ferramentas certas para que seus clientes concluam a compra com mais segurança e comodidade. Com o Link de pagamento da InfinitePay, dá pra vender sem maquininha para o Brasil todo, oferecendo parcelamento em até 12x e com o dinheiro na conta em um dia útil.

7 – Aprenda a precificar seus produtos ou serviços

Antes de vender um produto ou serviço é preciso saber precificá-lo. Se o valor estiver abaixo do ideal, isso pode reduzir a margem de lucro da empresa e inviabilizar o negócio.

Sendo assim, é importante levar em consideração todos os custos envolvidos, além da mão de obra, na hora de determinar qual será o preço cobrado. Com isso em mente, seu lucro aumenta, e os gastos inúteis diminuem.

Em tese, a fórmula é a descrita acima. Entretanto, na prática, a situação pode ser bem mais complicada. Isso porque, muitas vezes, o serviço oferecido é intangível – vender algo, como um sapato, é diferente de prestar um atendimento, como instalar um vitral.

Há alguns caminhos, entretanto, que podem ajudá-lo na precificação. Analisar os valores da concorrência é uma delas. Procurar tabelas de preço em associações de classe – obviamente, que atuem na mesma área que a sua – também pode ser um bom referencial.

Crie, ainda, um preço por hora de trabalho. Esse não é um passo fácil, mas a fórmula mais comum é considerar um valor que ache justo ou correto receber por mês (ou semana, ou dia). Adicione a esse número suas despesas adicionais (transporte, refeição).

Com o preço em mãos, divida-o pelo período considerado e chegue ao número referente à hora de trabalho. Contudo, é sempre bom lembrar que isso é apenas um referencial. Venda por lotes ou trabalhos recorrentes, por exemplo, podem ser oferecidas por preços inferiores de forma unitária, já que nesse caso você ganha por volume.

Por fim, use o bom senso. Converse muito, pesquise ainda mais e adquira conhecimento. Quanto mais atuar na prática, mais você encontrará o caminho da sustentabilidade financeira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos