Mercado fechará em 1 h 14 min
  • BOVESPA

    110.923,34
    +2.030,02 (+1,86%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.135,88
    +1.357,01 (+3,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,67
    -0,67 (-1,48%)
     
  • OURO

    1.815,80
    +34,90 (+1,96%)
     
  • BTC-USD

    18.882,75
    -517,02 (-2,67%)
     
  • CMC Crypto 200

    370,75
    -9,11 (-2,40%)
     
  • S&P500

    3.667,10
    +45,47 (+1,26%)
     
  • DOW JONES

    29.896,42
    +257,78 (+0,87%)
     
  • FTSE

    6.384,73
    +118,54 (+1,89%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,92 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.475,00
    +198,00 (+1,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3260
    -0,0352 (-0,55%)
     

Educação digital: como a crise do coronavírus vai transformar o ensino

Colaboradores Yahoo Finanças
·4 minuto de leitura
(Foto: Getty Images)
(Foto: Getty Images)

Por Matheus Mans

O Colégio Poliedro, que conta com unidades em Campinas, São José dos Campos e São Paulo, precisou mudar suas aulas da noite para o dia. Durante a quarentena do novo coronavírus, a escola passou a ter aulas ao vivo, videoaulas, tutoriais e exercícios online, além de professores com interação digital.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Na unidade de São José dos Campos, por exemplo, o Poliedro mobilizou os seus 62 professores para gerar conteúdo para os 650 alunos do sexto ao nono ano. Em suas casas, professores gravam vídeos de 30 minutos sobre o tema estabelecido e disponibilizam numa espécie de sala de aula virtual. Por semana, são geradas, em média, 40 horas de vídeos.

Como o novo coronavírus está mudando o mundo

"Nosso objetivo é minimizar, ao máximo, o impacto da restrição social e proporcionar uma rotina de estudos semelhante das aulas presenciais. O conteúdo segue uma grade definida pela coordenação pedagógica, alinhado com o cronograma didático estabelecido para o ano", explica Luís Gustavo Megiolaro, diretor pedagógico adjunto do Colégio Poliedro.

A situação não é exclusiva. Ao redor do país, escolas de todos os tipos e graus de ensino estão buscando formas digitais de manter os estudos por conta do avanço do coronavírus.

Ensino superior já puxava a fila do EaD

O Brasil já vivia há alguns anos a relevância do ensino à distância aumentar no ensino superior. Segundo o Censo EAD.BR, da Associação Brasileira de Educação à Distância (ABED), o número de estudantes em EaD cresceu 20% apenas em 2018, saltando para 9,4 milhões de pessoas. A expectativa é que existam mais alunos fazendo graduação à distância do que presencialmente em dois anos.

“Hoje, todas as grandes instituições de ensino já aderiram à educação digital”, afirma Luiz Alberto Ferla, CEO do DOT digital group, que fornece soluções de EaD. “Isso passou a se acelerar mais nas últimas duas semanas, em razão da quarentena. As pessoas têm recebido isso muito bem”.

Mudança de ares

O empreendedor Jan Krutzinna está à frente da startup ChatClass, empresa que fornece uma solução, baseada em inteligência artificial, que ensina inglês pelo WhatsApp. Para isso, os alunos entram na plataforma e, com áudio e texto, travam conversas com o ‘robô’.

Jan Krutzinna, fundador da ChatClass (Foto: Divulgação)
Jan Krutzinna, fundador da ChatClass (Foto: Divulgação)

Krutzinna, que está trabalhando com esse setor há seis anos, já percebe uma mudança de panorama. No entanto, mais do que manter o aluno apenas em casa, o empreendedor vê uma mistura de modelos: em algumas tarefas e exercícios, digital; em outras, salas de aula.

“Escolas e faculdades estão agilizando a contratação de ferramentas EaD para seguirem o ano letivo. Depois dessa crise, a meu ver, cria-se uma cultura de agregar o ensino à distância ao ensino em sala, resultando em um modelo híbrido que veio para ficar”, afirma o empreendedor. “As instituições perceberam a necessidade de investimento em tecnologia”.

A Dragonlearn, enquanto isso, fornece uma plataforma de ensino infantil, voltado para crianças menores. A ideia é que os pequenos alunos aprendam com exercícios gamificados, mais fáceis de entender e de prender a atenção. Na quarentena, a startup fez uma doação de 2 milhões de licenças na rede estadual e recebeu 25 mil cadastros.

Apesar do bom momento, Frederico Faria, diretor da empresa, chama a atenção para algo importante: a compreensão da realidade de cada um. “Na educação básica e setor público, as famílias não têm condições de disponibilizar bons equipamentos e conexão de internet de qualidade. É preciso capacitar e preparar a infraestrutura”, diz.

Barreiras em cursos tradicionais

A MedRoom, enquanto isso, tenta quebrar um tabu: emplacar o ensino à distância nos cursos de medicina. Assim como na área de direito, há resistência por parte dos profissionais em dar aulas digitais.

A startup aplica uma solução em realidade virtual para aulas de temas complexos a distância e ao vivo. Os professores ficam responsáveis pela ferramenta VR, enquanto os alunos participam da discussão vendo as peças anatômicas em 3D e o material do didático. Até agora, o feedback tem sido positivo tanto de professores quanto de alunos de medicina.

MedRoom usa realidade virtual para ampliar ensino de medicina (Foto: Divulgação)
MedRoom usa realidade virtual para ampliar ensino de medicina (Foto: Divulgação)

“Vejo um cenário plural: aulas presenciais, à distância, conteúdos virtuais e reais. A educação trabalha com diferentes tipos de mensagem, com necessidades diferentes e que necessitam de mídias diferentes”, diz Vinícius Gusmão, CEO da startup.

“Não faz mais sentido chamarmos de Educação à Distância. É um termo que não comporta mais o tamanho desse tipo de educação. Como um ensino que pode acontecer para todos, que junta as pessoas, é chamado de ‘à distância’”, diz a coordenadora. “Já passamos disso. Agora temos que pensar na Educação Digital. Mais integradora, mais real. O nosso futuro”, finaliza Míriam Rodrigues, coordenadora dos cursos superiores em Tecnologia EaD do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.