Mercado abrirá em 2 h 40 min
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,38 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,31
    +1,20 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.784,10
    +7,40 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    23.507,18
    -264,48 (-1,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    559,21
    -13,60 (-2,37%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,69 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.518,88
    +3,13 (+0,04%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.520,75
    +27,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2563
    -0,0029 (-0,06%)
     

Educação financeira nas escolas: desafios e oportunidades para as startups

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A forma com que o brasileiro lida com o dinheiro nunca foi saudável. Um dos maiores problemas das famílias brasileiras tem sido educação financeira: estima-se que 62% da população segundo a ANBIMA não tinha reserva de emergência no início de 2020. Além disso, apenas 25% dos adultos no Brasil são financeiramente alfabetizados por uma pesquisa feita com a S&P Ratings Service e cerca de 82% dos brasileiros não fazem cálculo de juros quando contratam empréstimo bancário segundo o Instituto Data Popular.

Com esses números impactantes de educação financeira relacionado ao cenário no Brasil, o ensino de tema virou obrigatório nas escolas pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) desde 2020. Escolas precisam se adaptar para ensinar essa nova competência, pois uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Educação Financeira (Abefin) mostra que aproximadamente 68% dos professores estão endividados e não têm conhecimento suficiente para ministrar a disciplina em sala de aula.

Além disso, no dia 7 de junho de 2022, foi aprovado um Projeto de Lei pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul que reforça a obrigatoriedade do ensino de educação financeira nas escolas. Foram 34 votos favoráveis e 6 contrários.

Diante dessas oportunidades, tem crescido o número de startups voltadas a fornecer às escolas soluções que auxiliem na implementação do novo ensino de forma eficiente. FORME e Blocos Edu são dois exemplos.

A startup FORME — Educação Financeira tem se destacado em seu crescimento acelerado a nível nacional e internacional. Fundada em janeiro de 2021, ela identifica essa dor das escolas, tanto particulares quanto públicas, em implementar o ensino de educação financeira. Sua solução tem uma abordagem híbrida, que inclui desde materiais pedagógicos para os alunos a uma plataforma de qualificação pedagógica para professores.

Além de todo o ecossistema de ensino, a FORME acompanha o corpo de professores durante todo o ano letivo para garantir a eficiência no aprendizado, tanto para os docentes quanto para os alunos.

Ensino de educação financeira durante a juventude gera adultos mais saudáveis e ajuda país a crescer (Imagem: Annie Spratt/Unsplash)
Ensino de educação financeira durante a juventude gera adultos mais saudáveis e ajuda país a crescer (Imagem: Annie Spratt/Unsplash)

Bruno Lewis, CEO da startup, comenta que, com o mundo caminhando para o fim da pandemia, as escolas têm mais confiança. Isso se refletiu em um crescimento acelerado para a FORME: de janeiro até junho ela cresceu 400% sua base de clientes e alunos, chegando a mais de 100 escolas pelo país.

Ele ainda comenta que os resultados foram alcançados com apenas cinco colaboradores, incluindo três fundadores, pois acreditam no modelo de crescimento sustentável da startup. Durante o terceiro trimestre, a empresa tem uma nova rodada de captação aberta para escalar suas operações. O objetivo é ser Top Of Mind quando se trata do ensino de educação financeira nas escolas e para crianças.

A FORME também chamou a atenção de um fundo de impacto internacional, cujo nome ainda não pode ser revelado.

“Estamos muito convencidos da importância de nosso produto para o crescimento do Brasil. A educação financeira apresentada no início da vida das pessoas fará uma diferença enorme em seus hábitos futuros. Um estudo feito pelo Banco Mundial mostra que jovens que aprendem sobre educação financeira antes da fase adulta podem impactar em até 1% do PIB do país positivamente”, informa Bruno Lewis.

Esse movimento de soluções voltadas à implementação de educação financeira nas escolas mostra que possivelmente teremos uma disrupção no modelo tradicional de ensino com a inclusão de aprendizados que todos os brasileiros deveriam ter tido na infância.

É importante olhar para uma área do conhecimento que impacta diretamente na vida das pessoas. Segundo estados de pesquisas, indivíduos financeiramente saudáveis são mais alegres, produtivos, faltam menos ao trabalho e são pessoas com menos carga de estresse, proporcionando uma melhor qualidade de vida para si e as pessoas ao seu redor.

Ficou curioso? Visite o site da FORME e conheça um pouco mais.

*O Canaltech é parceiro de mídia do Angel Investor Club

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos