Mercado fechará em 3 h 27 min
  • BOVESPA

    121.954,34
    +45,31 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.272,66
    -594,49 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,03
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.835,10
    -2,50 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    56.145,34
    -1.862,52 (-3,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.504,38
    +1.261,70 (+519,90%)
     
  • S&P500

    4.142,11
    -46,32 (-1,11%)
     
  • DOW JONES

    34.203,02
    -539,80 (-1,55%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.313,00
    -43,75 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3500
    +0,0098 (+0,15%)
     

Educação e Economia são os mais afetados em decreto sobre bloqueio orçamentário

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - O governo publicou decreto nesta sexta-feira sobre o bloqueio de dotações orçamentárias primárias discricionárias, sendo os maiores valores referentes aos Ministérios da Educação e da Economia.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou na quinta-feira a lei orçamentária de 2021 com um corte de 19,8 bilhões de reais em dotações orçamentárias e um veto a autorização para a criação de cargos na Política Militar e no Corpo de Bombeiros do Distrito Federal.

Ao mesmo tempo, a Presidência anunciou a edição do decreto para promover um bloqueio adicional nos recursos do Orçamento, medida necessária, segundo o governo, para garantir o cumprimento do teto de gastos.

De acordo com o decreto publicado no Diário Oficial nesta sexta-feira, o bloqueio adicional chega a 9.285.430.574 reais.

O órgão mais afetado é o Ministério da Educação, com bloqueio total de mais de 2,729 bilhões de reais, seguido da Economia, com 1,406 bilhão de reais.

O Ministério da Defesa sofreu bloqueio de 1,364 bilhão de reais.

As medidas põem fim à novela da tramitação do Orçamento, aprovado pelo Congresso no final de março com parâmetros defasados e uma subestimativa de despesas obrigatórias que, segundo o Executivo, tornou a peça inexequível, alimentando preocupações de que o governo poderia ser acusado de crime de responsabilidade.

Os valores vetados serão remanejados para outras despesas por meio de um novo projeto de lei de crédito suplementar (PLN) a ser encaminhado ao Congresso.

Já os recursos bloqueados poderão ser eventualmente liberados ao longo do ano, caso uma revisão das programações de receitas e despesas autorize a medida.

Membros do Ministério da Casa Civil, do Ministério da Economia e da Secretaria de Governo darão entrevista à imprensa nesta sexta-feira, a partir das 11h30, para detalhar o Orçamento de 2021.

(Por Camila Moreira)