Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.829,27
    +902,98 (+0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.771,12
    -56,78 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,20
    -0,76 (-1,09%)
     
  • OURO

    1.981,00
    -14,90 (-0,75%)
     
  • BTC-USD

    27.823,44
    +496,22 (+1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    597,33
    -21,06 (-3,41%)
     
  • S&P500

    3.970,99
    +22,27 (+0,56%)
     
  • DOW JONES

    32.237,53
    +132,33 (+0,41%)
     
  • FTSE

    7.405,45
    -94,15 (-1,26%)
     
  • HANG SENG

    19.915,68
    -133,92 (-0,67%)
     
  • NIKKEI

    27.385,25
    -34,35 (-0,13%)
     
  • NASDAQ

    12.922,75
    +68,75 (+0,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6448
    -0,0852 (-1,49%)
     

Eduardo Bolsonaro quer proibir invasor de receber auxílio e estudar

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 04.05.2022 - O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 04.05.2022 - O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP) protocolou nesta semana um projeto de lei que restringe os direitos de quem ocupar propriedades rurais ou urbanas. Para especialistas, o texto é inconstitucional.

Pela proposta do filho do ex-presidente Jair Bolsonaro, os invasores serão proibidos de se cadastrar em programas sociais e receber auxílio do governo federal, participar de concursos públicos federais, assinar contratos com o poder público, ter nomeação para cargo público comissionado e estudar em instituições oficiais de ensino. A regra também valeria para quem cooperar com as ocupações, e para quem já tem cargo público ou contratos com o governo.

Para justificar a proposta, Eduardo Bolsonaro argumenta que as ocupações e invasões prejudicam a produtividade dos proprietários e que "não se pode tripudiar o direito de propriedade".

"O MST, o MTST e outros, usam como subterfúgio a condição de movimento social para promoverem destruição, invadirem propriedades, descumprir a Constituição, enfim, desrespeitar direitos. É preciso defender o direito de propriedade, garantindo ao povo honesto e trabalhador, seja da área rural ou urbana, segurança e paz às suas propriedades e famílias", diz o deputado na justificativa do projeto de lei.

Recém-eleito para a Câmara, Guilherme Boulos (PSOL), que se projetou como liderança do MTST, relembra a invasão de Brasília. "Os primeiros a serem afetados pela demagogia de Eduardo Bolsonaro seriam os bolsonaristas que invadiram o Congresso em 8 de janeiro e ele mesmo, que incentivou a tentativa de golpe de Estado", disse em nota.

Para Georges Abboud, sócio do Warde Advogados e professor de direito constitucional da PUC-SP, o projeto é inconstitucional porque criminaliza movimentos sociais sem definir o que é luta por moradia e o que é invasão.