Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.030,04
    +189,44 (+0,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

EDP vê evolução da energia eólica offshore e custos menores

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A EDP-Energias de Portugal informou que a tecnologia usada em projetos de energia eólica offshore ainda é menos madura do que a utilizada em parques eólicos onshore, mas está avançando de maneira acelerada.

“Offshore é uma tecnologia mais recente, mas está evoluindo muito rápido”, disse o CEO da EDP, Miguel Stilwell de Andrade, em entrevista à Bloomberg Television nesta sexta-feira. “Muitos projetos estão sendo desenvolvidos no momento na Europa e nos EUA e estamos vendo que isso se traduz em custos menores à medida que a tecnologia também amadurece.”

A EDP é uma das principais desenvolvedoras de energias renováveis da Europa e planeja investir 24 bilhões de euros no período 2021-2025, apostando em novos projetos, principalmente na Europa e América do Norte. A companhia portuguesa criou uma joint venture com a francesa Engie focada em ativos de energia eólica offshore. O objetivo é dobrar a capacidade instalada de energia solar e eólica para 25 gigawatts em 2025.

Para lidar com pressões inflacionárias, o CEO revelou que, quando a EDP toma uma decisão de investimento, procura “imediatamente” travar os custos com os fornecedores.

Andrade repetiu que a EDP estuda reduzir parte da exposição a ativos hidrelétricos no Brasil. A empresa está vendendo algumas linhas de transmissão no País e reinvestindo em novos projetos. “O Brasil tende a ficar mais focado em distribuição e transmissão no futuro”, disse ele.

A EDP pretende gerar toda a sua energia a partir de fontes renováveis em 2030, mas ainda tem cerca de 2,9 gigawatts em ativos de gás natural em Portugal e na Espanha. A companhia pretende desativar gradualmente as instalações de gás natural nos próximos dois anos, acrescentou o CEO.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos