Mercado fechado

EDP Brasil desiste de vender usinas hidrelétricas de Jari e Cachoeira

Logo da EDP em Oviedo

SÃO PAULO (Reuters) - A EDP Brasil não está mais vendendo as usinas hidrelétricas Santo Antônio do Jari e Cachoeira Caldeirão, localizadas no Amapá, disse nesta quinta-feira o CEO da elétrica, João Marques da Cruz.

Em teleconferência de resultados, o executivo afirmou que as ofertas apresentadas por interessados ao longo do processos de venda não embutiam valores considerados "justos" pelo ativos.

Em maio, a empresa havia anunciado que estava negociando com exclusividade a venda das duas hidrelétricas com o fundo canadense Caisse de Dépôt et Placement du Québec (CDPQ).

Segundo o CEO, os processos de alienação dessas duas hidrelétricas poderão ser reabertos no futuro caso o mercado resolva precificar os ativos de acordo com o que a EDP considera justo.

Em relação à hidrelétrica Mascarenhas, vendida à britânica Victory Hill Global, o executivo disse que a expectativa é de concluir a operação até o final deste ano.

RENOVAÇÃO DE DISTRIBUIDORAS

Com relação à futura renovação das concessões de distribuidoras, o CEO da EDP Brasil afirmou que as conversas com o Ministério de Minas e Energia e outros agentes do setor elétrico trazem "confiança" à empresa.

"Há um posicionamento muito correto que apreciamos... No sentido de uma prorrogação (das concessões) não onerosa, mas exigente. Exigente no sentido de indicadores de qualidade de operação, de atendimento ao cliente", afirmou.

A EDP Espírito Santo será a primeira distribuidora a ter sua concessão a passar por um processo de renovação, já que o contrato atual expira em 2025. Cerca de 15 outras concessionárias têm seus contratos vencendo entre 2025 e 2030.

"A EDP está preparada nas duas áreas de concessão, ou quiçá em outras áreas de concessão que apareçam no mercado, para sermos um operador que responde às necessidades que o país tem", acrescentou Marques da Cruz.

(Por Letícia Fucuchima)