Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.657,67
    -816,13 (-1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Editaram estes aracnídeos geneticamente e o resultado é um tanto quanto bizarro

·1 minuto de leitura

Muitas pessoas sofrem de fobia de aranhas, sejam elas grandes ou pequenas. Se esse for o seu caso, tome cuidado com as informações que estão por vir neste texto. Cientistas publicaram, recentemente, um estudo em que revelam ter criado geneticamente um aracnídeo que, ao contrário dos que já conhecemos, tem as pernas curtas.

Guilherme Gainett, da Universidade de Wisconsin-Madison e líder da pesquisa, conta que para criar o aracnídeo geneticamente modificado foi preciso, antes de tudo, sequenciar o genoma de um parente da aranha chamado Phalangium opilio. A criatura é uma espécie de opilião que pertence à classe dos aracnídeos.

Na sequência, através de uma técnica chamada de "interferência do RNA", os cientistas desligaram o par de genes que estava associado ao desenvolvimento da perna em centenas de embriões da criatura. O resultado, então, foi em seis das pernas do opilião subdesenvolvidas e muito mais curtas que as do animal comum. Os membros também ficaram sem os tarsômetros, que permitiam ao animal se agarrar em gravetos.

Gainett diz que o genoma dos opiliões pode esclarecer a história complexa da evolução do genoma dos aracnídeos, o seu plano corporal e também revelar como os opiliões conquistam suas pernas longas e únicas. Em estudos futuros, os cientistas querem entender como os genes conseguem criar novas características para os aracnídeos, como suas presas e pinças, e também desenvolver os primeiros opiliões transgênicos.

O estudo foi publicado na revista científica The Royal Society.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos